E quando já não há perspectiva de cura?

segunda-feira, 20 de junho de 2016


Encarar uma doença grave como o câncer é algo extremamente exigente, fisicamente e emocionalmente. Não apenas para quem está doente, mas também para a família inteira, para todos que estão ao redor. Vivenciar tão de perto a doença acaba nos deixando um pouco doentes também. As coisas mais simples do dia a dia se tornam complexas e desafiadoras.

Meu pai estava no quarto ciclo de quimioterapia, reagindo muito bem ao tratamento e com alta médica prevista para os próximos dois meses. Estava ainda mais debilitado em consequência do enfrentamento da doença, agressiva e destruidora. Porém, surpreendentemente forte e determinado, de ânimo resoluto e vontade tenaz. Tinha a certeza de que passaria por tudo aquilo e ficaria bem.

Em meio a essa feliz expectativa, fomos impactados, como quem sente um piano caindo sobre si, com a notícia de que seu cérebro estava praticamente tomado e já não havia mais nada a ser feito. Radioterapia, quimioterapia, cirurgia…NADA resolveria o problema. E assim, da noite pro dia, meu pai se tornou um paciente terminal.
Atordoados por essa “sentença de morte” fomos sendo orientados pela equipe médica dos próximos passos, de tudo o que estaria por vir e que, apesar do “nada” em termos de tratamento curativo, havia muito o que ser feito. Era preciso dar a ele o máximo conforto possível.

Conforto? Soava contraditória demais essa palavra. Queríamos muito mais: a possibilidade de tratamento, a esperança de cura, toda e qualquer melhora mesmo que levasse muito tempo e independente de quais esforços fossem necessários. Queríamos a certeza de tê-lo muito mais tempo ao nosso lado. Mas isso nunca esteve em nossas mãos, tão pouco nas mãos dos médicos. Foi preciso encarar a realidade com fé.

Meu pai precisava de cuidados especiais. Necessitava ainda mais da nossa presença e da força do nosso amor. Passamos a ser de tudo um pouco: cuidadores, motoristas, enfermeiros, nutricionistas, médicos. Seriam minutos, horas, dias, semanas…. a gente perde a noção do tempo e muda a forma como o conta. Só tínhamos o “hoje” e ele precisava ter um valor de eternidade para nós.

A verdade é que não somos preparados para perder alguém, mesmo sabendo que a morte chega para todos. A doença traz muito sofrimento, mas também é uma visita de Deus em nossa vida, que faz emergir, como que um vulcão em erupção, nossos valores, nossas virtudes, nosso caráter. Revela o que temos de mais nobre, revela a nossa alma.

Ali, em família, com a mãe e meus irmãos, foi preciso ter uma das conversas mais duras de toda a nossa vida. Foram muitas lágrimas, daquelas que saem grossas e ininterruptas. Na mesma “sala rosa” que sempre foi o nosso lugar de encontro, o cenário familiar de tantas outras conversas, de grandes notícias, de celebrações, de papos sérios, sempre junto do pai e da mãe. Só que agora sem ele e para tomarmos decisões juntos, por ele, e para um apoiar o outro diante do drama que vivíamos. A nossa escolha: amar muito, amar “tudo”, amar até o fim. Nossa meta se tornou oferecer a ele o melhor de todos os confortos: voltar para casa e lá ser cuidado até seu último suspiro, dando o que tantas vezes recebemos dele e, de modo especial, preservando sua dignidade de ser humano.

Passamos muitos dias, também o Natal e Ano Novo no hospital e, por fim, conseguimos, com muito esforço e correria, orçamentos e ligações, e com todo suporte da equipe médica, transformar a sala de casa num verdadeiro quarto de hospital.

“Pai, onde estamos?”. “Estamos em casa”, disse ele, com aquela voz rouca e fraquinha. Essa resposta foi como que um feixe de luz a iluminar nossos corações.

Ele não deixou de ser quem é por estar naquela cama hospitalar no meio da sala, usando sonda e recebendo soro. Mesmo sem o controle de suas faculdades ou quando foi perdendo a consciência, ele continuava sendo o João da minha mãe, o nosso “papis”, o “grandão”, o “Jhon”… continuava sendo o esposo, o pai, o sogro, o tio, o cunhado, o grande amigo. Tudo se foi e ficou só ele, na limitação da condição humana, mas na grandiosidade do seu “ser”, na sua essência, naquilo que ele plantou e cultivou em cada um. De fato, isso nem a doença ou morte são capazes de roubar. É o que fica para sempre, pois foi construído ao longo da vida em cada gesto, atitude, palavra e assim edificado no profundo do coração, no íntimo de nossas almas.

Fomos amados e o amamos até o fim.

Fonte: Canção Nova

0 comentários:

Seja um Padrinho Vem Cuidar de Mim

Pesquisar neste Blog

Liturgia Diária

Liturgia Diária
Canção Nova

PC Magazine

PC Magazine
Informática e Eletrônicos

Novo Arcebispo da Arquidiocese da Paraíba - Dom Delson

Novo Arcebispo da Arquidiocese da Paraíba - Dom Delson

Projeto "Igreja no Cinema" - Fotos

Projeto "Igreja no Cinema" - Fotos
Paróquia Menino Jesus de Praga

10 Anos de Ordenação Diaconal - Fotos da Comemoração

10 Anos de Ordenação Diaconal - Fotos da Comemoração
Diácono Roberto Inocêncio

Fotos

Fotos
Paróquia Menino Jesus de Praga

Visitantes

Ajude o Laureano

Oração de exaltação a Santa cruz

Terço

Terço
Mãe da Divina Misericórdia

Mensagem

Campanha Vem Cuidar de Mim

Campanha Vem Cuidar de Mim
Assine aqui o abaixo assinado!

Conselhos do Papa Francisco

Mensagem

Mensagem
Monsenhor Jonas Abib

Reflexão

Frei Galvão

Frei Galvão
História

O Papa Francisco

O Papa Francisco
Vatican

Bíblia Católica On Line

Mensagem

Mensagem
Monsenhor Jonas Abib

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI
armaduradocristao@gmail.com

Horário das Missas na Paróquia Menino Jesus de Praga - Bancários

  • Quinta-feira - 19:30hs
  • Sexta-feira -06:00hs
  • Sábado - 19:00hs
  • Domingo - 8:00 e 17:00hs
  • Telefone: (83) 3235.5120

Siga o Armadura por e-mail

Ocorreu um erro neste gadget

A ARMADURA DO CRISTÃO

A ARMADURA DO CRISTÃO
Leia Efésios 6, 10-20

Adoração ao Santíssimo

Adoração ao Santíssimo

Salmos on Line

Menino Jesus de Praga

Arquivos Obras Timbó