Oração do papa São João Paulo II a Deus Pai

terça-feira, 10 de novembro de 2020

 


Bendito sejais, ó Pai, porque, no Vosso amor infinito, nos destes o Vosso Filho Unigênito, que encarnou por obra do Espírito Santo no seio puríssimo da Virgem Maria e nasceu em Belém há dois mil anos. Ele fez-Se nosso companheiro de viagem e deu novo significado à História, que é um caminho a percorrer unidos na aflição e no sofrimento, na fidelidade e no amor, rumo àqueles novos céus e nova terra onde, vencida a morte, Vós sereis tudo em todos.

Louvor e glória a Vós, Trindade Santíssima, único Deus altíssimo!

Sustentai, ó Pai, com a força do Espírito, o empenho da Igreja em prol da nova evangelização e guiai os nossos passos pelas sendas do mundo, para anunciarmos Cristo com a vida, orientando a nossa peregrinação terrena para a Cidade da luz.
Resplandeçam os discípulos de Jesus pelo Seu amor para com os pobres e os oprimidos; sejam solidários com os necessitados e magnânimos nas obras de misericórdia; sejam indulgentes com os irmãos para poderem eles próprios obter de Vós indulgência e perdão.

Louvor e glória a Vós, Trindade Santíssima, único Deus altíssimo!

Concedei, ó Pai, que os discípulos do Vosso Filho, purificada a memória e reconhecidas as próprias culpas, sejam todos um só, para que o mundo creia.
Cresça o diálogo entre os seguidores das grandes religiões, e todos os homens descubram a alegria de serem Vossos filhos.
À voz suplicante de Maria, Mãe dos povos, unam-se as vozes em oração dos apóstolos e dos mártires cristãos, dos justos de todos os tempos e povos.

Louvor e glória a Vós, Trindade Santíssima, único Deus altíssimo!

A Vós, Pai onipotente, origem do mundo e do homem, por Jesus Cristo, o Vivente, Senhor do tempo e da História, no Espírito que santifica o universo, louvor, honra e glória, hoje e pelos séculos sem fim.

Amém!


Fonte: Canção Nova

Você conhece a oração do Magnificat?

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

 Narra as Sagradas Escrituras que, depois que a Santíssima Virgem Maria ficou grávida do Menino Deus por ação do Espírito Santo, ela se dirigiu às montanhas da Judeia em que se encontrava a casa de sua prima Isabel. Isabel, por sua vez, também estava esperando um filho, João Batista.

Assim que Maria entrou na casa de sua prima, Isabel exclama agradecida: “Bendita és tu entre todas as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre” (Lc 1,42). Ainda por nascer, João Batista, como que percebendo a presença do Redentor da humanidade, estremece no ventre de Isabel. É justamente nesse momento que a Virgem de Nazaré derrama-se em humildade ao proclamar a lindíssima oração do Magnificat (cf. Lc 1, 46-55).

Esse cântico de Maria possui uma singular beleza poética e foi inspirado no segundo capítulo do primeiro livro de Samuel. De modo geral, observam-se no Magnificat três enredos fundamentais: a glorificação do Criador, a predileção de Deus pelos mais humildes e, por fim, a lembrança de que Deus cumpre as suas promessas. Nesse sentido, a nossa oração pessoal pode acompanhar ou até mesmo imitar esta linda oração que brotou do coração de Maria.

É muito significativo quando a Igreja propõe que o Magnificat seja entoado ao final da tarde na oração das Vésperas. Este é justamente o momento em que a luz do dia começa a ceder espaço para as sombras da noite. De maneira analógica e, por que não dizer alegórica, é possível associar a luz que se esvai gradativamente com a força do homem que, depois de um dia longo de labuta, também percorre o mesmo caminho.

Nesse sentido, pode-se considerar o cântico do Magnificat como o gonzo de uma porteira; aquelas que podem ser vistas nas propriedades rurais. Ao se fechar no final do dia, deixam melhor protegidos aqueles bens mais valiosos dos moradores daquela propriedade.

Por outro lado, o início da noite também é a hora do cansaço e das dores do corpo. É o momento de alegrar-se por tudo o que fora possível fazer durante o dia e de inquietar-se pelo que não foi feito. Enfim, é a hora propícia para uma profunda reflexão e, principalmente, reconhecer a presença e ação de Deus em cada circunstância do dia.

Aquele que canta o Magnificat, mesmo que desacompanhado, não se encontra só. Entoa com Maria e com toda a Igreja um cântico generoso de louvor e de gratidão a Deus. Por meio dele, retribui-se e reconhece-se a generosa bondade de Deus que foi capaz de realizar maravilhas em favor daquela humilde criatura que canta.

Quem reza o Magnificat, portanto, está se colocando junto à Maria e, com ela, testemunhando para o mundo sua condição servil e, ao mesmo tempo, fraterna para com seu Criador e Redentor.

Que tal nos unirmos a Virgem Maria e rezarmos agora?

Minha alma engrandece o Senhor,
e meu espírito exulta em Deus em meu Salvador,
porque olhou para a humilhação de sua serva.
Sim! Doravante as gerações todas me chamarão de bem-aventurada,
pois o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor.
Seu nome é santo e sua misericórdia
perdura de geração em geração, para aqueles que o temem.
Agiu com a força de seu braço,
dispersou os homens de coração orgulhoso.
Depôs poderosos de seus tronos, e a humildes exaltou.
Cumulou de bens a famintos e despediu ricos de mãos vazias.
Socorreu Israel, seu servo, lembrado de sua misericórdia
conforme prometera a nossos pais em favor de Abraão
e de sua descendência, para sempre!

Deus abençoe você e até a próxima!

Missionário da Comunidade Canção Nova

Quem é fiel no pouco vai ser fiel no muito

sábado, 7 de novembro de 2020

 


“Quem é fiel nas pequenas coisas também é fiel nas grandes, e quem é injusto nas pequenas também é injusto nas grandes” (Lucas 16,10). 

Muitas vezes, olhamos para as grandes coisas e achamos que elas são importantes, mas cada coisa é importante, cada momento é importante, cada situação vivida é importante. Não é porque um foi desonesto com milhões em dinheiro, e você diz: “Não, foi só um real; só dez reais”; seja, por favor, honesto para administrar um milhão de reais e seja muito honesto para administrar um real. Seja muito honesto para administrar uma moeda como também ao administrar cem moedas. Seja muito honesto para cuidar da sua casa, do seu quarto e do seu lar, dê o melhor de si ali como também ao cuidar de uma empresa, de um país, ou seja, o que estiver sob sua responsabilidade.

Às vezes, dizemos: “Tenho muitas responsabilidades”. Todo mundo tem muitas responsabilidades, e é fazendo bem aquilo que nos é colocado que medimos o tamanho, a grandeza da nossa responsabilidade.

O pai que cuida de um filho tem que ter a mesma aplicação de um pai que cuida de dez, ainda que seja mais exigente cuidar de dez, mas é preciso cuidar de um primeiro para depois cuidar de dois, de três, de quatro… E assim por diante. Quem não administra um minuto da vida vai ser difícil administrar uma hora, depois 24 horas; e assim por diante.

Seja fiel no pouco que você tem, pois isso revela a grandeza do seu caráter e da sua personalidade

Estamos nos tempos em que vivemos menosprezando as pequenas coisas, mas são as pequenas coisas que fazem toda a diferença, são elas que nos revelam onde está o melhor de nós, onde está realmente a nossa capacidade de gerir e administrar a nossa própria vida.

Comece pelo seu próprio quarto. Alguém que quer um dia administrar uma casa tem que saber, primeiro, cuidar de um quarto… Inclusive, comece arrumando a sua própria cama, dobrando a sua coberta assim que você levanta. Já vai ser uma primeira responsabilidade assumida na vida. Se uma criança menospreza isso, se um pai não ensina os seus filhos a cuidarem de uma coisa que parece mínima (mas não é, ao contrário, é importante); se não sabe pegar a meia que tirou do meu pé e colocar num cesto porque acha que isso é insignificante (mas não é insignificante) é sinal de que outras coisas importantes na vida também deixará de lado.

Precisamos ser honestos até com o dinheiro que é desonesto. Não vamos compartilhar de dinheiro desonesto, jamais! Mas, muitas vezes, o dinheiro que chegou até nós é gerido no mundo de uma forma desonesta e entraríamos em tantos meios para explicar as injustiças, e assim por diante.

Seja fiel no pouco que você tem, pois isso revela a grandeza do seu caráter e da sua personalidade. Seja fiel com poucos amigos, seja fiel naquele momento em que você está sozinho com a pessoa porque assim você também será tão bom quando estiver diante de tantas pessoas.

Quem é fiel no pouco é quem, de verdade, vai ser fiel no muito, e é esse quem receberá a recompensa pela sua fidelidade.

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

Jesus é o Verbo Eterno, o Filho Unigênito de Deus

quarta-feira, 4 de novembro de 2020

 Os Evangelhos, todos eles, registram uma intenção maior que aparece em todas as suas páginas: mostrar quem era Jesus. Empenharam-se em mostrar, sobretudo, que Jesus era o Verbo Eterno, o Filho Unigênito de Deus que assumiu uma natureza humana.

Por mais que Jesus fosse um homem perfeito, um homem maravilhoso, cheio de qualidades humanas, o que iria fazer entender, em definitivo, quem era ele, seria o fato maior, o de ser Filho de Deus. Tudo o mais, em Jesus, só poderia ser cabalmente entendido nessa perspectiva.

-Jesus-é-o-Verbo-Eterno,-o-Filho-Unigênito-de-Deus

Foto Ilustrativa: pcess609 by Getty Images

Com efeito, a identidade de qualquer coisa é evidenciada pelo seu lado mais nobre, mais alto, mais decisivo e determinante. Por isso, o que é primeiro e determinante é quem dá sentido a tudo mais. O determinado tem sua importância, mas não é o que caracteriza a coisa. Assim, a natureza humana de Jesus é de absoluta importância. Por ela, o Verbo se fez nosso Salvador. Mas o imenso valor, o inaudito, não consiste em que o homem Jesus seja perfeito, maravilhosamente humano, mas consiste em que o Verbo Eterno, o Filho de Deus se tenha feito homem. João não disse que o homem se fez Verbo Eterno, mas disse que o Verbo se fez homem.

Jesus se fez homem para nos salvar

Hoje em dia, com o fascínio que o humanismo veio exercendo sobre toda a cultura, acredita-se que o importante seria evidenciar o humano. Todo o movimento filosófico dos últimos séculos constituiu-se num imenso esforço por endeusar o homem, o humano.

Entretanto, a intenção maior dos evangelistas foi de evidenciar a encarnação do Verbo, do Filho de Deus. São Mateus começa o Evangelho, é verdade, mostrando a descendência humana de Jesus. Para logo, entretanto, registra sua verdadeira e estupenda descendência divina: “… o que nela foi concebido vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho a quem porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo de seus pecados…” (Mt 1,20-21).

Marcos é incisivo: “Princípio da Boa Nova de Jesus Cristo, Filho de Deus” (Mc 1,1). Também com Marcos, em todo o Evangelho, só faz mostrar a origem divina de Jesus. Sobre o fim do Evangelho, registra o testemunho do oficial romano, como se fosse a conclusão de tudo o que escrevera anteriormente: “O centurião que estava diante de Jesus, ao ver que ele tinha expirado assim, disse: ‘Este homem era realmente o Filho de Deus'” (Mc 15,39).

Lucas, por sua vez, empreende relatar pormenorizadamente os acontecimentos, a fim de que seu amigo Teófilo “conheça a solidez daqueles ensinamentos que ele tinha recebido” (Lc 1,3-4). A solidez diz respeito à fé, de vez que o sentido bíblico de fé é precisamente solidez, firmeza, pois tratava-se precisamente “do ente santo que nasceria de Maria e seria chamado de Filho de Deus” (Lc 1,35).

João, o evangelista teólogo, não deixa dúvidas. Começa com a origem eterna do Verbo, porque é disso mesmo que se tratava: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus, e o Verbo era Deus… E o Verbo se fez carne e habitou entre nós…” (Jo 1,1,14). Entre os evangelistas foi quem mais pôs em destaque a identidade divina de Jesus.

Leia mais:

Diante de tudo isso, a grande, a imensa pergunta, a maior pergunta de todos os tempos é aquela que Jesus fez aos discípulos: “… quem dizeis que eu sou?” (Mt 16,15).

E a maior resposta de todas quantos foram dadas, foi a de Pedro: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” (Mt 16,16). Tão grande foi a resposta que superava de muito todas as possibilidades humanas de Pedro e de toda a humanidade. Ninguém poderia ter forjado, sequer imaginado, uma resposta semelhante. Ela veio simplesmente do Pai. Não tivesse vindo do Pai, Pedro nada teria respondido, ou, na melhor das hipóteses, teria respondido que Jesus era o melhor amigo. Mas não. Jesus lhe disse donde lhe viera tal resposta: “Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue quem te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus” (Mt 16,17).

Essa é a solidez da fé das primeiras comunidades cristãs que, hoje, importa revigorar novamente entre os cristãos mais que nunca, pois trata-se da solidez do próprio fundamento último da vida cristã.

Padre Achylle Alexio Rubin


Fonte: Canção Nova

Padre comenta o Dia de Finados e indulgência plenária nesta solenidade

segunda-feira, 2 de novembro de 2020

 No Dia de Finados, é possível oferecer a indulgência plenária a um fiel falecido

No Dia de Finados, católicos rezam por fiéis falecidos / Foto: Paula Dazaró – Canção Nova

Neste sábado, 2, a Igreja comemora o Dia de Finados. A data começou a ser vivida na vida monástica, por ordem de um abade, que decretou que o dia em seguida à Solenidade de Todos os Santos fosse dedicado à oração por todos os falecidos. Com o passar dos anos, as igrejas da região assumiram a prática, e por fim, a Igreja decretou a data a ser comemorada em todo o mundo.

Padre Wagner Souza, da Paróquia Santa Teresinha, em Seropédica (RJ), explica o Dia de Finados. “É preciso compreender que nós não morremos sozinhos. Nós morremos com Cristo, na Sua morte, a morte vira o fim. Por isso, aqueles que morrem, entram em plena posse da Vida Eterna junto com Deus. Então, antes de mais nada, o Dia de Finados não deve nunca ser compreendido como um dia de tristeza”, explica o sacerdote, ressaltando, porém, que nesse dia a liturgia da Missa utiliza paramentos pretos ou roxos, os instrumentos são apenas para sustentar o canto e os fiéis são orientados a viver um dia de recolhimento.

Padre Wagner Souza / Foto: Arquivo Pessoal

“Devemos entender que este dia nos leva a refletir, acima de tudo, sobre a finitude da existência humana e a plenitude da existência divina, que todos aqueles que morreram alcançaram pela Graça da Redenção pela Vida de Jesus Cristo”. 

O padre lembra que todas as práticas de se dirigir aos mortos ou devoção aos mortos não é correta, mas o que acontece neste dia é a oração a Deus pelas almas dos que morreram.

Indulgências no Dia de Finados

No Dia de Finados, é possível receber as indulgências e aplicá-las a si e a algum falecido. Padre Wagner explica seu significado. “A indulgência é um ato que expressa a maternidade da Igreja. A Igreja, como mãe, nos concede a remissão das penas do purgatório através de um esforço humano. Algumas pessoas podem questionar esta simplicidade, perguntando: “mas é só isso?” Sim, porque é um ato de fé.”

Para recebê-las, em qualquer situação, é necessário que o fiel busque a confissão sacramental, participe e comungue na Santa Missa, e reze a oração do Credo, do Pai Nosso, da Ave Maria e do Glória ao Pai nas intenções do Santo Padre, tendo no coração o desejo de receber as indulgências.

Padre Wagner lembra que para se conseguir as indulgências, há momentos específicos, como aconteceu no Ano Santo da Misericórdia, no Jubileu do Ano 2000, ou quando são feitas visitas a Santuários ou locais determinados. Mas que, em qualquer ano, pode-se alcançar a graça das indulgências em algumas ocasiões, como no Dia de Finados. 

“Por exemplo, se o fiel está em estado de Graça, cumprir os requisitos, ao receber a Bênção do Santíssimo Sacramento, ele pode lucrar as indulgências. Também na Sexta-feira Santa, ao participar da Adoração à Santa Cruz; no dia 31 de dezembro, último dia do ano civil, ao rezar o Te Deum; e no Dia de Finados”. 

O padre ressalta que no Dia de Finados, o lucro das indulgências se dá de uma forma especial. “Somente neste dia, além de aplicar a indulgência a si mesmo, o fiel pode aplicá-la a um fiel defunto. Basta cumprir os requisitos e visitar um cemitério. E são oito dias de graça: pode-se aplicar a uma pessoa falecida por dia, de 1º a 8 de novembro, se o fiel participar da eucaristia em todos esses dias”. 

Fonte: Canção Nova

Solenidade de todos os Santos

domingo, 1 de novembro de 2020



 “Todos os fiéis cristãos, de qualquer estado ou ordem, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade. Todos são chamados à santidade: ‘Deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito’ “(Mt 5,48) (CIC 2013).

Sendo assim, nós passamos a compreender o início do sermão do Abade São Bernardo: “Para que louvar os santos, para que glorificá-los? Para que, enfim, esta solenidade? Que lhes importam as honras terrenas? A eles que, segundo a promessa do Filho, o Pai celeste glorifica? Os santos não precisam de nossas homenagens. Não há dúvida alguma, se veneramos os santos, o interesse é nosso, não deles”.

Sabemos que desde os primeiros séculos os cristãos praticam o culto dos santos, a começar pelos mártires, por isto hoje vivemos esta Tradição, na qual nossa Mãe Igreja convida-nos a contemplarmos os nossos “heróis” da fé, esperança e caridade. Na verdade é um convite a olharmos para o Alto, pois neste mundo escurecido pelo pecado, brilham no Céu com a luz do triunfo e esperança daqueles que viveram e morreram em Cristo, por Cristo e com Cristo, formando uma “constelação”, já que São João viu: “Era uma imensa multidão, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas” (Ap 7,9).

Todos estes combatentes de Deus, merecem nossa imitação, pois foram adolescentes, jovens, homens casados, mães de família, operários, empregados, patrões, sacerdotes, pobres mendigos, profissionais, militares ou religiosos que se tornaram um sinal do que o Espírito Santo pode fazer num ser humano que se decide a viver o Evangelho que atua na Igreja e na sociedade. Portanto, a vida destes acabaram virando proposta para nós, uma vez que passaram fome, apelos carnais, perseguições, alegrias, situações de pecado, profundos arrependimentos, sede, doenças, sofrimentos por calúnia, ódio, falta de amor e injustiças; tudo isto, e mais o que constituem o cotidiano dos seguidores de Cristo que enfrentam os embates da vida sem perderem o entusiasmo pela Pátria definitiva, pois “não sois mais estrangeiros, nem migrantes; sois concidadãos dos santos, sois da Família de Deus” (Ef 2,19).

Neste dia a Mãe Igreja faz este apelo a todos nós, seus filhos: “O apelo à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade se dirige a todos os fiéis cristãos.” “A perfeição cristã só tem um limite: ser ilimitada” (CIC 2028).

Todos os santos de Deus, rogai por nós!

Fonte: Canção Nova

 

Pesquisar neste Blog

Liturgia Diária

Liturgia Diária
Canção Nova

Arcebispo da Arquidiocese da Paraíba - Dom Delson

Arcebispo da Arquidiocese da Paraíba - Dom Delson
Dom Manoel Delson Pedreira da Cruz

Fale conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes

A ARMADURA DO CRISTÃO

A ARMADURA DO CRISTÃO
Leia Efésios 6, 10-20

Conselhos do Papa Francisco

Oração de exaltação a Santa cruz

Como Retornar?

Como Retornar?
Dicas para voltar a ter intimidade com Deus

Mensagem

Mensagem
Monsenhor Jonas Abib

Terço

Terço
Mãe da Divina Misericórdia

Mensagem

Reflexão

Frei Galvão

Frei Galvão
História

O Papa Francisco

O Papa Francisco
Vatican

Bíblia Católica On Line

Seja um Padrinho Vem Cuidar de Mim

Missa de Cinzas - Fotos

Missa de Cinzas - Fotos
Paróquia Menino Jesus de Praga

Mensagem

Mensagem
Monsenhor Jonas Abib

Ajude o Laureano

Campanha Vem Cuidar de Mim

Campanha Vem Cuidar de Mim
Assine aqui o abaixo assinado!

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI
armaduradocristao@gmail.com

Adoração ao Santíssimo

Adoração ao Santíssimo

Salmos on Line

Menino Jesus de Praga

Arquivos Obras Timbó