Cerco de Jericó - 24 Horas para Jesus

quinta-feira, 30 de março de 2017


Sejamos a cura de Deus para o próximo

terça-feira, 28 de março de 2017

 

Sejamos a cura, a mão, o ouvido de Deus para tantos como este homem que há 38 anos está sofrendo

“Senhor, não tenho ninguém que me leve à piscina, quando a água é agitada. Quando estou chegando, outro entra na minha frente” (João 5,7).

Veja que situação triste a deste homem que está próximo à piscina de Siloé. Essa piscina tinha uma função restauradora para curar as doenças de tantas pessoas! Ali iam cegos, coxos, paralíticos etc. Quando a água era agitada, havia a crença de que um anjo descia sobre essa água e ela se movimentava, de modo que o doente que ali entrava era curado.
Esse homem se encontrava há 38 anos doente, enfermo e nunca conseguiu chegar naquela piscina. Sabe, outros estão doentes e enfermos, mas quando estamos numa situação, queremos primeiro cuidar de nós. “Eu tenho que tomar conta da minha doença, da minha enfermidade! Eu tenho que cuidar dos meus problemas!”. Veja que o egoísmo do ser humano está presente em todas as situações!
As pessoas que foram ali curadas não voltaram nem para ajudar aquele homem que estava naquela situação há 38 anos. Eram pessoas que buscavam a cura, seja lá o que for, somente para si a partir de seus interesses. Não havia nenhuma preocupação com o próximo, com aquele que estava sofrendo. Por isso, quando Jesus passou vendo aquele homem enfermo, que estava doente disse: “Meu filho, você quer ficar curado?”. Ou seja, Jesus se importou com ele, importou-se com a sua enfermidade.
Jesus é aquele que se importa, preocupa-se com aquilo que eu passo, que eu sofro e vivo, mesmo que eu pareça esquecido e não seja lembrado por ninguém. É assim que se encontrava esse homem: esquecido, deixado de lado, marginalizado, menosprezado, mas lembrado por Deus!
Jesus aproxima-se dele e pergunta se ele gostaria de ficar curado, e ele responde: “Senhor, eu quero, mas não tem ninguém que me leve! Eu até tento, me esforço, mas quando eu vou me aproximando, quando estou quase chegando, vêm outros à minha frente e me atropelam, passam a minha frente e não consigo chegar lá”. Jesus diz: “Meu filho, levanta-te! Pega a sua cama e vai!”. O homem levantou, pegou sua cama e seguiu adiante.
Sabe, meus irmãos, precisamos nos importar, precisamos nos preocupar com a situação do outro, precisamos ser a mão de Jesus para tantos que não conseguem se levantar da situação em que se encontram; seja na enfermidade, na dor, no sofrimento, na depressão, seja na condição moral em que a pessoa está.
Quantas vezes encontro pessoas sozinhas, solitárias, sofrendo verdadeiras angústias na alma, porque não há ninguém que as escute, não há ninguém que tenha um ouvido para dar atenção a elas!
Hoje, é um desafio de Deus para mim e para você: escutemos o outro, tenhamos tempo para ele, tenhamos a mão estendida para cuidar dele. Sejamos a cura, a mão, o ouvido de Deus para tantos como este homem que, há 38 anos, está sofrendo. Há pessoas com menos ou mais anos que estão sofrendo, porque não há ninguém que lhes dê atenção.
Quem é resgatado por Deus precisa se tornar instrumento de cuidado e atenção para com o sofrimento do próximo!

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

Precisamos ser mansos e humildes

segunda-feira, 27 de março de 2017


"Aprendei de Mim que Sou manso e humilde de coração"

Para viver a santidade é preciso chegar a um relacionamento concreto com Deus, porque Deus é Pai. No Aramaico, Deus é Abbá, meu Papai, o meu Abbá! Chegamos à maturidade humana e cristã, este é o segredo. Deixai vir a mim as criancinhas, porque quem não receber o Reino dos Céus como uma criança, não entrará nele. Deus quer impor as mãos sobre você e lhe dizer: “Vós sois meu filho, minha filha”. O Senhor nos coloca no nosso lugar, vem nos encher de paz, como uma criança no seio materno, que, após mamar, larga-se no colo da mãe.
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Jesus nos fala: “Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração”. Quantos estragos causamos a partir dos nossos sentimentos! Precisamos ter o controle sobre nós mesmos, para que possamos assim nos deixar amansar por Deus.
Somos autossuficientes, altivos, prepotentes, precisamos ser mansos e humildes, pois a cara do filho precisa ser a cara do pai, o coração do filho precisa ser como o coração do pai.
Em Mateus 5,38 lemos: “olho por olho, dente por dente”. Jesus está se pondo como Mestre e dizendo: “Eu não sou assim. Você, meu filho, não pode ser assim. Não resistais ao mal, se alguém lhe fere a face direita, oferece a esquerda, não resista, ceda! Esse é o segredo. Não aumente a fogueira dentro da sua casa, do seu trabalho, do grupo de oração. Não é resistir, mas ceder, humanamente parece absurdo, mas não é. Quem se encontra com Jesus, algo muda dentro dele.
Tudo pode ser mudado pela força da oração. “Vá e faça o mesmo”, comece por você na sua casa. O Senhor está nos curando profundamente, ele está nos dando um coração novo e humilde. Amarás o teu próximo e não odiará seus inimigos, mas rezará por cada um deles.
Temos de agir segundo a Palavra de Deus. Primeiro: “Amai os vossos inimigos”. Segundo: “Fazei o bem a eles”. Terceiro: “Orai por aqueles que vos maltratam”. Interessante que, depois de dar o primeiro passo, você vai chegar aos outros degraus, por isso comece e faça isso, você pode e vai conseguir.

Monsenhor Jonas Abib Fundador da Comunidade Canção Nova

Morre Dom Marcelo Carvalheira, arcebispo emérito da Paraíba

domingo, 26 de março de 2017

 
Dom Marcelo Carvalheira, arcebispo emérito da Paraíba, morreu aos 88 anos no começo da noite deste sábado (25), em Olinda (PE), onde morava havia anos.

O velório será às 10h na Sé de Olinda/PE, com missa às 16h. Logo após, o corpo será levado para a Catedral de Guarabira onde vai ser velado.
Na segunda (27) de manhã chega a João Pessoa e seguirá para a Catedral, onde ocorrerá o sepultamento às 16h.

Sobre Dom Marcelo Carvalheira
  
Foi ordenado padre no dia 28 de fevereiro de 1953, em Roma. Como padre, foi Professor de Teologia no Seminário de Olinda; Diretor Espiritual do Seminário; primeiro reitor do Seminário Regional do Nordeste Olinda; Assistente Eclesiástico da Ação Católica e Subsecretário do Regional Nordeste II da CNBB.
Neste período, Dom Marcelo foi um dos mais importantes colaboradores de Dom Hélder Câmara. Durante o regime militar no Brasil, defendeu os líderes católicos perseguidos, sendo ele mesmo preso e torturado. Em janeiro de 2009, Dom Marcelo foi indenizado pelo estado por reparação econômica de danos, recebendo a quantia de R$ 100 mil.
Foi nomeado bispo auxiliar da Paraíba, recebendo a sé titular de Bitilio, que abrangia 25 cidades, em 29 de outubro de 1975, sendo ordenado bispo, aos 47 anos, em 27 de dezembro de 1975, pelas mãos de Dom Helder Pessoa Câmara, Dom Aloísio Lorscheider e Dom José Maria Pires.
Em 9 de novembro de 1981, aos 53 anos, foi designado bispo da recém criada Diocese de Guarabira, na Paraíba. Em 29 de novembro de 1995 foi designado para ser Arcebispo da Arquidiocese da Paraíba, múnus que exerceu até 5 de maio de 2004.
Como bispo e arcebispo, foi membro da Comissão Episcopal de Pastoral da CNBB Nacional (1987-1991 e 1995-1998), responsável pelo setor Leigos e CEBs; Vice-Presidente da CNBB Nacional (1998 a 2004). Participou do Sínodo dos Bispos sobre os Leigos e da Quarta Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano]], em Santo Domingo. Foi delegado à Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos para a América por eleição da Assembléia da CNBB e confirmado pelo Papa João Paulo II (1997). (Diocese de Guarabira).

A constância é um dos segredos para suportarmos as tribulações de forma fecunda

sexta-feira, 24 de março de 2017

 “Filho, se te ofereceres para servir a Deus, permanece na justiça e no temor e prepara tua alma para a provação” (Eclo 2,1). 

 Se nos oferecemos para o serviço do Senhor, precisamos nos preparar para a aprovação, porque ela virá. “Endireita o teu coração e sê constante”. A constância é um dos segredos para suportarmos as tribulações de forma fecunda, que produza frutos. Se Deus nos permite uma situação, Ele acredita em nós muito mais que nós mesmos, Ele sabe do que somos feitos, embora a nossa humanidade seja declinada. Deus sabe que dentro de nós há a essência do Céu.
“Une-te a Ele e não te separes.” Na hora da dor, há uma tendência de nos afastarmos de Deus e perguntarmos onde Ele está, que não está vendo as situações! Na hora da dor, não conseguimos ver, a nossa visão turva. Mas somos filhos amados, sonhados e queridos por Deus. Partindo desse princípio, entendemos que Ele jamais nos abandonaria à nossa própria sorte. Por mais que o Senhor nos permita passar por tribulações, Ele está do nosso lado, para que possamos crescer, amadurecer. Nem sempre estamos preparados para a tribulação. 
Se você deseja uma vida em Deus, uma vida profunda, prepare a sua alma, porque Ele vai forjá-lo, e o Espírito Santo vai moldá-lo ao caráter de Cristo.
“Tudo o que te acontecer aceita-o.” O processo é passar pelo momento do sofrimento com a esperança de que vai passar, olha para o Senhor e vê que depois da cruz vem a ressurreição. Qual a diferença de quem passa pela dificuldade com alegria? É que este olha para cruz, olha para o que é eterno, e vai vendo que tudo é tão pequeno, porque o que está vivendo aqui não se compara à glória que o espera no céu. 

Fonte: Canção Nova

Paróquia promove sessão de cinema para moradores do Timbó

quarta-feira, 22 de março de 2017

 

            A Paróquia Menino Jesus de Praga, cuja Igreja Matriz fica no bairro dos Bancários, em João Pessoa, promove uma sessão de cinema nesta quarta-feira, dia 22 de março, às 19h30, para paroquianos, em especial para moradores da comunidade do Timbó.


           Em parceria com o Cinepólis, do Mangabeira Shopping, vai ser exibido o longa “Papa Francisco: conquistando corações”. Segundo o pároco, Pe. Marcondes, a iniciativa faz parte do projeto chamado “Igreja no cinema”. “Foi reservada uma sala para 300 (trezentas) pessoas, dentre as quais 50 (cinquenta) são moradores da comunidade do Timbó - em especial, pessoas que nunca foram ao cinema a exemplo de Dona Nina e Dona Maria da Natividade”, explica.

Dia Internacional da Síndrome de Down é celebrado nesta terça-feira

terça-feira, 21 de março de 2017

'Me deu vida', diz homem com Síndrome de Down sobre 1º emprego

Dia Internacional da Síndrome de Down é celebrado nesta terça-feira. Kássio se sente mais confiante e forte depois que começou a trabalhar.

Kássio é office boy. Descreve o trabalho de forma simples: “Eu carimbo os processos, tiro xerox”. Pode não ser o emprego dos sonhos para muita gente, mas, para ele, fez toda a diferença. Com Síndrome de Down, Kássio Vinícius Monteiro agora se sente mais confiante, mais forte e mais otimista. “Acho importante porque me deu vida. Me sinto útil”, afirmou. Nesta terça-feira (21), é celebrado o Dia Internacional da Síndrome de Down.

 Aos 27 anos, Kássio conquistou o primeiro emprego, no Ministério Público da Paraíba (MPPB), por meio de uma parceria do órgão com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae).

Hoje, já com 30 anos, ele avalia como tem crescido com a experiência. “Antes, só praticava esportes, frequentava a piscina e participava do grupo de dança. Gosto da Apae, mas o trabalho me motivou. Vi que eu era capaz de aprender mais. Estou muito feliz com o trabalho”, pontuou.

Além de uma oportunidade de crescimento pessoal, Kássio considera o trabalho como uma espécie de refúgio. “Eu sei que sou diferente, mas as pessoas olham muito pra mim. Isso me incomoda. Eu fico em silêncio. Mas no trabalho, não. No trabalho, eu me sinto bem, à vontade e tranquilo”, comentou.

A mãe de Kássio, Maria José Monteiro, explica que o filho não chegou a terminar os estudos, mas ainda frequenta a escola da Apae nos dias em que ele não vai para o MPPB. Para ela, a parceria foi primordial para Kássio. “Foi importantíssimo! Porque proporcionou crescimento pessoal e desenvolveu a mente dele”, comemorou.


Na Apae, Kássio e outras pessoas com deficiência têm apoio clínico, escolar, acompanhamento psicológico e ainda participa de atividades esportivas e culturais.

A diretora social da Apae, Rosália Araújo, coordena a parceria entre o órgão e a associação, que é uma ação de inclusão social dentro do projeto “MP para todos”. “Esta parceria dá oportunidades para nossos usuários serem reconhecidos dentro da sociedade, superando barreiras e promovendo a inclusão com responsabilidade”, ressaltou. Além de Kássio, outras três pessoas com deficiência trabalham na Procuradoria-Geral de Justiça graças a essa parceria.

Parcerias buscam inclusão
Na segunda-feira (20), o Ministério Público do Trabalho (MPT) firmou uma parceria com o Instituto Primeiro Olhar, uma Organização Não-governamental (ONG) que acompanha crianças com Síndrome de Down na primeira infância e também orienta as famílias.

Segundo a procuradora do Trabalho Andressa Coutinho, para contratar PCDs, as empresas podem procurar ONGs, a  Fundação Centro Integrado de Apoio ao Portador de Deficiência (Funad) e instituições formadoras do Sistema S (Senai, Senac, etc.).

Programação em João Pessoa
Nesta terça-feira (21), é lançada em João Pessoa a campanha Síndrome de Down tem Diretriz de Atenção à Saúde, em parceria da prefeitura com o Instituto Primeiro Olhar e a Associação Ame Down. O evento acontece a partir das 9h na sala do Tribunal Pleno do Tribunal de Justiça da Paraíba.

A campanha é nacional e tem o objetivo de incentivar o acompanhamento médico para que as pessoas com Síndrome de Down possam ter uma vida saudável. A programação local conta ainda com outras atividades alusivas ao tema. Ainda na terça-feira (21) haverá uma oficina de gastronomia com ‘chefinhos especiais’, no Mangabeira Shopping, a partir das 16h.

Na sexta-feira (24), haverá um seminário sobre o tema no auditório da Faculdade Internacional da Paraíba, das 8h às 21h. Já no sábado (25), a programação segue na Estação Cabo Branco, com oficinas e brincadeiras para os públicos infantil e juvenil, a partir das 9h. Ainda na Estação, às 10h, está programada uma mesa redonda com profissionais da área de saúde.

 Fonte: G1 Paraíba

O que um músico católico precisa saber sobre a quaresma?

A quaresma compreende o período de cerca de quarenta dias reservado a preparação da Páscoa. A palavra Quaresma vem do latim, quadragesima dies (quadragésimo dia). O adjetivo referente a este período é dito quaresmal ou, mais raro, quadragesima . O tempo da Quaresma vai da Quarta-feira de Cinzas (rito latino) até a missa vespertina da Quinta-Feira Santa, iniciando o tríduo Pascal.
“Trata-se de um número que exprime o tempo da expectativa, da purificação, do regresso ao Senhor e da consciência de que Deus é fiel às suas promessas.” Papa Bento XVI (22 de fevereiro de 2012).
Tempo de penitência e conversão, onde se dá atenção ainda maior as práticas como o jejum, a esmola é a oração, conforme o Evangelho de Mateus (Mt 6,1-6.16-18), proclamado na Quarta-feira de Cinzas.
“A penitência interior do cristão pode ter expressões muito variadas. A Escritura e os Padres insistem sobre tudo em três formas: o jejum, a oração, a missa, que expressam a conversão com relação a si mesmo, com relação a Deus e com relação aos demais. Junto a purificação radical operada pelo Batismo ou pelo martírio, citam, como meio de obter o perdão dos pecados, os esforços realizados para reconciliar-se com o próximo, as lágrimas de penitência, a preocupação pela salvação do próximo, a intercessão dos santos e a prática da caridade “porque a caridade cobre a multidão dos pecados” (1 Pedro, 4,8.).” (Catecismo Igreja Católica, n. 1434).

O que não cantamos

Neste tempo, no rito latino, suprimimos o hino do Aleluia (IGMR 62) - cantado ou recitado. O hino do Glória (IGMR 53) é suprimido salvo em caso de solenidade ou festa, podendo então ser cantando ou recitado normalmente. As solenidades dos calendários, como a Anunciação do Senhor e de São José, são transferidas apenas em caso de coincidirem com algum domingo de Quaresma.
A cor litúrgica do Tempo da Quaresma é o roxo; para o 4º domingo, chamado domingo da alegria, o Domingo Laetare assim chamado pela primeira palavra do introito em latim: Laetare Jerusalem (Alegra-te, Jerusalém!), é permitido o uso da cor rosa. No Domingo de Ramos, a cor das vestes litúrgicas do celebrante é a vermelha (IGMR, n. 346)
Sobre a ornamentação o IGMR nos diz: 305. Haja moderação na ornamentação do altar. No tempo do Advento ornamente-se o altar com flores com a moderação que convém à índole deste tempo, de modo a não antecipar a plena alegria do Natal do Senhor. No tempo da Quaresma não é permitido adornar o altar com flores. Excetuam-se, porém, o domingo Laetare (IV da Quaresma), as solenidades e as festas. A ornamentação com flores deve ser sempre sóbria e, em vez de as pôr sobre a mesa do altar, disponham-se junto dele.
Esta sobriedade também é indicada na musica:
“No tempo da Quaresma só é permitido o toque do órgão e dos outros instrumentos musicais para sustentar o canto” (IGMR 313)

Sobre o silêncio

O silêncio na Quaresma pode ser observado com maior cuidado. “No ato penitencial e a seguir ao convite à oração, o silêncio destina-se ao recolhimento interior; a seguir às leituras ou à homilia, é para uma breve meditação sobre o que se ouviu; depois da Comunhão, favorece a oração interior de louvor e ação de graças”, é o que nós dia a Instrução Geral ao Missal Romano no nº45. A CNBB, em parceria com a Paulus, tem gravado uma série de CDs do chamado “Hinário Litúrgico”, apropriados para o Ano A, B e C. Confira aqui as partituras dos hinos de 2017 (ano A).
Outra sugestão é suprimir o canto das ofertas (apresentação dos dons) pois este "é um canto suplementar, esta categoria inclui os cantos para os quais não há textos específicos previstos. A rigor, são elementos facultativos da celebração, e nem precisam ser falados ou cantados". Documentos da igreja sobre música litúrgica Paulus, 3.411.3., p. 327).

A espiritualidade de cada domingo da Quaresma

Ano A (Mateus): 1º Domingo: Deserto;
2º Domingo: Transfiguração;
3º Domingo: Samaritana;
4º Domingo: Cego de Nascença;
5º Domingo: Lázaro.

“A Quaresma é um tempo de jejum e de penitência, instituído pela Igreja por tradição apostólica” (São Pio X, Catecismo Maior, 35)
 

Jesus Cristo veio nos trazer vida em abundância

segunda-feira, 20 de março de 2017

“Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância”

O núcleo central da missão redentora de Jesus, diz o apóstolo João, foi dar vida, e vida em abundância (Jo 10,10). Essa abundância não consiste no número de dias que passamos neste mundo, nem mesmo das regalias que possamos ter. Podemos achar que vida em abundância é uma vida de prosperidade, vida de sucesso. Vemos, por intermédio do apóstolo, que a vida em abundância de Jesus é completamente diferente desse pensamento.
Jesus-Cristo-veio-nos-trazer-vida-em-abundância 
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com
Diz São João Paulo II, quando Jesus fala da vida em abundância: “Ele fala daquela vida nova e eterna que consiste na comunhão com o Pai, à qual todo o homem é gratuitamente chamado no Filho, por obra do Espírito Santificador. Mas é precisamente em tal vida que todos os aspectos e momentos da vida do homem adquirem pleno significado” (Evangelium Vitae n 1).
O homem não pode se iludir com a vida terrena, achando que nela está toda alegria, toda realização. Não! A plena realização da vida não está aqui, mas na vida futura prometida pelo Senhor. Esta vida futura é, muitas vezes, esquecida e é para esta realidade futura, o céu, que quero chamar sua atenção.
Recorremos ao grego para ficar mais fácil a compreensão do que nos apresenta o Evangelista João quando fala que Jesus veio nos trazer vida, e vida em abundância. Existem três palavras do Novo Testamento, com significados diferentes, que foram traduzidas para o português por uma única palavra, chamada “vida”. No grego, ela possui três significados. Sem a distinção necessária dos termos, corremos o risco de não compreendermos a mensagem do Evangelho.

Evangelho em sua originalidade

A primeira palavra grega traduzida por vida em português é “bios”. Nesse caso, refere-se à vida no mundo físico. A partir daí, entende-se as outras palavras derivadas desse conceito, como biologia. “Bios” é tudo aquilo que envolve o mundo físico, isto é, a duração de nossa vida física e também nossa conduta moral.
Segunda palavra grega traduzida por vida é “psuche”. Essa palavra também é conhecida como “alma”. Vemos, em alguns livros de psicologia, traduzida também como “vida da alma”. Especialmente na psicologia, a psuche refere-se aos nossos pensamentos, nossos sentimentos, tudo aquilo que está no campo de nossas tomadas de decisões.
A terceira e mais importante palavra grega traduzida por vida é “Zoé”. Essa palavra grega é usada quando se refere à vida própria de Deus, sua vida incorruptível, sem princípio nem fim. Portanto, todas as vezes que a Sagrada Escritura fala da vida que Jesus veio trazer, usa a palavra Zoé, e não Bios ou Psuche. Isso implica dizer que a vida que Jesus veio trazer foi a Zoé, a vida própria de Deus. Por isso mesmo: “O homem é chamado a uma plenitude de vida que se estende muito para além das dimensões da sua existência terrena, porque consiste na participação da própria vida de Deus. A sublimidade desta vocação sobrenatural revela a grandeza e o valor precioso da vida humana, inclusive já na sua fase temporal”. (Evangelium Vitae n 2).
Como diz Jesus: “De que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e vir a perder a sua vida?”. Como temos visto, não se trata de perder a vida biologicamente, é mais que isso, trata-se de perder a vida junto de Deus. De que adianta ao homem ter todos os prazeres da carne, mas vir a perder o Céu? O homem, quando se prende às coisas terrenas, esquece as coisas do Céu. Pobre homem que age dessa maneira! As coisas terrenas são momentâneas, passam logo, enquanto as coisas do Céu são duradouras e eternas. Jesus nos convida exatamente para essa vida sem fim, para a vida eterna.
Todos nós cristãos sabemos que Cristo veio trazer vida em abundância para nós. Mas que vida? Feita a distinção das três palavras gregas, compreendemos qual vida Ele veio trazer. A vida em abundância não consiste em ter muito dinheiro, fama, prestígio, reconhecimento na sociedade, prazeres… Não trata da vida física (Bios) meramente. Alguém ainda pode pensar que a vida em abundância consiste em ter uma vida feliz e satisfeita no plano terreno (Psuche). Sabemos agora que “a vida que Deus dá ao homem é muito mais do que uma existência no tempo. É tensão para uma plenitude de vida; é germe de uma existência que ultrapassa os próprios limites do tempo”. (Evangelium Vitae n 34). Portanto, a vida que Deus nos dá é a “Zoé”, vida eterna.
Não nos deixemos seduzir por qualquer coisa, tenhamos em vista o Céu, a vida eterna. A abundância de nossa vida consiste em buscar as coisas do Céu. O homem só encontra vida verdadeiramente se sua vida estiver escondida com Cristo em Deus. (Cl 3,3). Somente n’Ele o homem encontra tudo o que busca. Toda vida fora de Deus não passa de mera ilusão.

Fonte: Canção Nova

O nosso pai São José

domingo, 19 de março de 2017

São José foi escolhido para ser pai adotivo do Salvador

Não é sem razão que a Igreja, no meio da Quaresma, tira o roxo no dia 19 de março e coloca o branco na liturgia, para celebrar a festa de São José, esposo da Virgem Maria. Entre todos os homens do seu tempo, Deus escolheu o glorioso São José para ser pai adotivo de seu Filho divino e humanado. E Jesus lhe era submisso, como mostra São Lucas.
São José
Santo Gertrudes (1256-1302), um grande místico da Saxônia, afirmou que “viu os Anjos inclinarem a cabeça quando no céu pronunciavam o nome de São José”.
Santa Teresa de Ávila (1515-1582), a primeira doutora da Igreja, a reformadora do Carmelo, disse: “Quem não achar mestre que lhe ensine a orar, tome São José por mestre e não errará o caminho”. E declarava que em todas as suas festas lhe fazia um pedido e que nunca deixou de ser atendida. Ensinava ainda que cada santo nos socorre em uma determinada necessidade, mas que São José nos socorre em todas.
O Evangelho fala pouco de sua vida, mas o exalta por ter vivido segundo “a obediência da fé” (cf. Rm 1,5). Deus nos dá a graça para viver pela fé (cf. Rm, 5,1.2; Hb 10,38) em todas as circunstâncias. São José, um homem humilde e justo, “viveu pela fé”, sem a qual “é impossível agradar a Deus” (cf. Hab 2,3; Rm 1,17; Hb 11,6).
O grande doutor da Igreja Santo Agostinho compara os outros santos às estrelas, e São José ele o compara ao Sol. A esse grande santo Deus confiou Suas riquezas: Jesus e a Virgem Maria. Por isso, o Papa Pio IX, em 1870,  declarou São José Padroeiro da Igreja Universal com o decreto “Quemadmodum Deus”. Leão XIII, na Encíclica “Quanquam Pluries”, propôs que ele fosse tido como “advogado dos lares cristãos”. Pio XII o declarou como “exemplo para todos os trabalhadores” e fixou o dia 1º de maio como festa ao José Trabalhador.
São José foi pai verdadeiro de Jesus, não pela carne, mas pelo coração; protegeu o Menino das mãos assassinas de Herodes o Grande, e ensinou-lhe o caminho do trabalho. O Senhor não se envergonhou de ser chamado “filho do carpinteiro”. Naquela rude carpintaria de Nazaré Ele trabalhou até iniciar Sua vida pública, mostrando-nos que o trabalho é redentor.
Na história da salvação coube a São José dar a Jesus um nome, fazendo-O descendente da linhagem de Davi, como era necessário para cumprir as promessas divinas. A José coube a honra e a glória de dar o nome a Jesus na Sua circuncisão. O Anjo disse-lhe: “Ela dará à luz um filho e tu o chamarás com o nome de Jesus, pois ele salvará o seu povo dos seus pecados” (Mt 1,21).
A vida exemplar desse grande santo da Igreja é exemplo para todos nós. Num tempo de crise de autoridade paterna, na qual os pais já não conseguem “conquistar seus filhos” e fazerem-se obedecer, o exemplo do Menino Jesus submisso a seu pai torna-se urgente. Isso mostra-nos a enorme importância do pai na vida dos filhos. Se o Filho de Deus quis ter um pai, ao menos adotivo, neste mundo, o que dizer de muitos filhos que crescem sem o genitor? O que dizer de tantos “filhos órfãos de pais vivos” que existem no Brasil, como nos disse aqui mesmo em 1997 o Papa João Paulo II? São José é o modelo de pai presente e atencioso, de esposo amoroso e fiel.
Celebrar a festa de São José é lembrar que a família é fundamental para a sociedade e que não pode ser destruída pelas falsas noções de  família, “caricaturas de família”, que nada têm a ver com o que Deus quer. É lutar para resgatar a família segundo a vontade e o coração de Deus. Em todos os tempos difíceis os Papas pediram aos fiéis que recorressem a São José; hoje, mais do que nunca é preciso clamar: “São José, valei-nos!” Ao falar desse santo, o Papa João Paulo II, na  exortação apostólica “Redemptoris Custos” (o protetor do Redentor), de 15 de agosto de 1989, declarou: “Assim como cuidou com amor de Maria e se dedicou com empenho à educação de Jesus Cristo, assim também guarda e protege o seu Corpo Místico, a Igreja” (nº1). “Hoje ainda temos motivos que perduram, para recomendar todos e cada um dos homens a São José (nº 31).
Celebrar a festa de São José é celebrar a vitória da fé e da obediência sobre a rebeldia e a descrença que hoje invadem os lares, a sociedade e até a Igreja. O homem moderno quer liberdade; “é proibido proibir!”; e, nesta loucura lança a humanidade no caos.
São José, tal como a Virgem Maria, com o seu “sim” a Deus, no meio da noite, preparou a chegada do Salvador. Deus Pai contou com ele e não foi decepcionado. Que o Altíssimo possa contar também conosco! Cada um de nós também tem uma missão a cumprir no plano divino. E o mais importante é dizer “sim” a Deus como São José. “Despertando, José fez como o anjo do Senhor lhe havia mandado” (Mt 1,24).

Celebrar a festa de São José é celebrar a santidade, a espiritualidade, o silêncio profundo e fértil. O pai adotivo de Jesus entrou mudo e saiu calado, mas nos deixou o Salvador pronto para começar a Sua missão. É como alguém destacou: “O servo que faz muito sem dizer nada; o especial agente secreto de Deus”. Ele é o mestre da oração e da contemplação, da obediência e da fé. Com ele aprendemos a amar a Deus e ao próximo.
São José viveu o que ensinou João Batista: “É preciso que Ele [Jesus] cresça e eu diminua” (Jo 3,30).

10 Anos de Ordenação Diaconal - Uma Vocação à Serviço de Deus

O Diácono Roberto Inocêncio completa, neste dia de São José, 10 anos de Ordenação Diaconal, de vida dedicada ao serviço de Deus, com uma missão de amor ao próximo, humildade, respeito e carinho pela sua comunidade. 

Parabéns Diácono Roberto, Deus te abençoe ainda mais sua vocação!

O Armadura do Cristão  te deseja paz, felicidades e muitas bênçãos!

Deus deseja que produzamos muitos frutos

sexta-feira, 17 de março de 2017

Quando não acolhemos o Cristo em nós, tornamo-nos estéreis na fé e não produzimos frutos

“Por isso eu vos digo: o Reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que produzirá frutos” (Mateus 21,43).

Preciso começar dizendo: não permita que o Reino de Deus seja tirado do meio de nós.
O Reino de Deus chegou, em primeiro lugar, para o povo escolhido, mas muitos deles, sobretudo os chefes religiosos, os mais religiosos daquela época, comportaram-se com indiferença. Mais do que indiferença, rejeitaram a proposta do Reino de Deus, rejeitaram o próprio Salvador. Não O acolheram, não O amaram, tornaram-se simplesmente inférteis e não produziram frutos. Eles não tiveram o dom de acolher o grande dom de Deus: Cristo presente no meio de nós.
Deus quer que produzamos muitos e muitos frutos, porque, quando não produzimos frutos no Reino de Deus, quando não acolhemos Cristo em nós, tornamo-nos estéreis na fé e não produzimos frutos, e assim não servimos para nada.
A graça que nos foi dada não é pouca, é muita graça! É a graça de Deus, do Seu Reino, a graça inclusive de ouvirmos o Reino a cada dia, de podermos meditar Sua Palavra, aproximarmo-nos do Corpo e Sangue do Senhor. A graça de termos Deus próximo de nós foi nos dada em abundância, mas, às vezes, aquele que muito tem não liga para o que tem, comporta-se com indiferença e não sabe valorizar.
Não podemos nos comportar com essa frieza, com essa indiferença, nem rejeitar a graça de Deus que está no meio de nós. Porque, a graça que temos, uma vez que não damos o valor que merece, ela será tirada de nós, será levada para outros que irão acolher.
Sabe, muitas vezes, comportamo-nos com um certo orgulho, com uma certa pretensão de nos acharmos melhores que os outros, mais santos que os outros, mais agraciados que outras pessoas. Às vezes, somos mesmo mais agraciados, mas ter a graça e não fazer uso dela é, na verdade, um grande mal para todos nós!
A graça que recebemos de Deus é para nos convertermos a cada dia, é para nos levantarmos e sermos melhores. Se outros estão vivendo a santidade, a graça de Deus é um sinal para acordarmos, levantarmos, acendermos aquela luz amarela sinalizando que estamos próximos do vermelho. Para que tomemos consciência daquilo que Deus nos deu, da Sua graça que está no meio de nós e nos comportemos como verdadeiros filhos e filhas da graça de Deus.
A quem muito Deus deu, a estes Ele também há de exigir e cobrar. Deus não nos deu pouco! Por isso, tiremos da nossa vida a indiferença, a frieza, não tratemos de qualquer jeito as coisas de Deus, porque tratar de qualquer jeito o que é d’Ele é o primeiro sinal de indiferença e rejeição para com as coisas d’Ele.

Deus abençoe você!
 
Fonte: Canção Nova

Papa Francisco completa quatro anos de pontificado

terça-feira, 14 de março de 2017

Francisco é o primeiro papa latino-americano da história. É também o primeiro papa nascido no Hemisfério Sul e o primeiro proveniente da Ordem dos Jesuítas

O Papa Francisco completou nesta segunda-feira, 13, quatro anos à frente da Igreja Católica.
pontificado-papa-francisco
Em 13 de março, Jorge Mario Bergoglio é apresentado como Francisco, sucessor de Bento XVI / Foto: L’Osservatore Romano

Jorge Mario Bergoglio assumiu o papado após a renúncia de Bento XVI anunciada em 28 de fevereiro de 2013. Após dois dias de conclave e cinco rodadas de votação, os 115 cardeais eleitores reunidos na Capela Sistina elegeram o, naquele ano, arcebispo de Buenos Aires, como novo pontífice da Igreja Católica, em 13 de março, às 20h12 (horário de Brasília).
Francisco é o primeiro papa latino-americano da história. É também o primeiro papa nascido no Hemisfério Sul e o primeiro proveniente da Ordem dos Jesuítas.
Até este ano, Francisco já realizou: 226 Angelus, 178 audiências gerais, 24 viagens apostólicas e duas Jornadas Mundiais da Juventude. Escreveu duas exortações apostólicas (Amoris Laeticia e Evangelii Gaudium), uma Bula (Misericordie vultus), duas encíclicas (Laudato Si e Lumen Fidei), além de constituições apostólicas,  cartas, discursos, homilias, motu proprios e mensagens.

Fonte: Canção Nova

Quaresma é tempo de voltarmos para Deus

segunda-feira, 13 de março de 2017

É tempo de mudanças, de voltarmos para o Senhor

 “Rasgai o coração, e não as vestes; e voltai para o Senhor, vosso Deus” (Jl 2,13)

 Iniciamos, hoje, o tempo agraciado da Quaresma, tempo especial no coração de Deus, para que todos voltemos nosso coração para o Senhor nosso Deus. Os excessos da vida e de tantos outros acontecimentos afastam-nos um pouco do Senhor, às vezes muito ou totalmente.
Deus é bom, é misericordioso, Ele mesmo toma a iniciativa de vir atrás de nós, de cada um de nós. O Senhor não nos quer distantes d’Ele, Ele nos quer próximos, quer que sejamos íntimos d’Ele, por isso nos dá este tempo de graça.
O que precisamos fazer para estarmos próximos do Senhor? Rasgar o nosso coração, abrir-nos para valer, dilacerar nosso coração, para que Deus entre nele. Deus não quer ficar de fora, não quer ficar na superfície, na porta; Ele quer entrar no nosso coração, porque só Ele tem o poder de mudá-lo, de mudar a nossa cabeça, nossa mente, nossas intenções e cuidar de cada um de nós.
O providencial, de que fala o profeta Joel, é: “rasgai o coração e não as vestes”. Terminamos esse tempo de carnaval, e o que vimos para lá e para cá? Muitas alegrias em muitos lugares, muita gente rasgando suas vestes, outras até sem elas! Muitas vezes, a nudez e tantas outras coisas comprimem o coração humano, tornam-no mais pesado. O que precisamos agora?
Independente da conduta de vida que temos, não devemos julgar quem fez isso, quem fez aquilo; cada um deve olhar para si, olhar para sua conduta, para suas escolhas de vida e aproveitar o tempo oportuno de Deus para converter o coração.
Não somos nós que queremos nos converter, mas sim Deus que quer a nossa conversão. O que precisamos ter é abertura de coração, é nos colocarmos à disposição de d’Ele para que Ele realmente faça a obra, realize a metanoia em nossa vida, mude a nossa mentalidade, nossa maneira mesquinha, egoísta e soberba de pensar, para que tenhamos em nós a mentalidade de Deus.
Cada um recebeu as cinzas em sua cabeça, é necessário escutarmos nosso coração. Converter-vos, o tempo é de conversão, de mudança de rota, de situação, de comportamentos. Precisamos mudar nossas atitudes, a nossa forma de pensar, de sentir e agir, e isso só acontece quando cremos no Evangelho, quando fazemos d’Ele o livro da vida, a disposição de vivermos essa vida quando a colocamos no referencial do Evangelho.
O Evangelho se torna luz para iluminar nossos passos, nossos caminhos, para direcionar nossa vida. Deus nos conceda um santo tempo de Quaresma, para que Ele faça com que nosso coração se rasgue e o Senhor entre nele fazendo uma obra nova.

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

Tour Religioso pelas Igrejas de Goiana/Pe e Túmulo de Frei Damião

domingo, 12 de março de 2017

 
Ontem, sábado 11/03, O Padre Marcondes Meneses, da Paróquia Menino Jesus de Praga, situada no bairro Bancários, em João Pessoa/PB, realizou mais um Tour Religioso. 


Antes da entrada nos dois ônibus contratados, os participantes receberam orientações e uma bênção especial do Padre Marcondes e Diácono Roberto Inocêncio para seguirem juntos pelo trajeto escolhido.


Desta vez, foram escolhidas as igrejas da cidade de Goiana, no vizinho estado de Pernambuco, estendendo-se até o Convento dos Frades Capuchinhos, no Pina, em Recife, onde está o túmulo com os restos mortais de Frei Damião, frade da ordem dos capuchinhos, que realizou grandes missões pelas regiões do nordeste brasileiro.


Foi uma viagem tranquila, onde os paroquianos e participantes puderam conhecer um pouco mais da história da fundação das igrejas e conventos que foram visitados.

Em Goiana tivemos a primeira parada na Igreja de N.Sra. das Maravilhas, que fica à beira da BR 101, na entrada do Engenho Maravilha; 






posteriormente, conhecemos a Igreja do Rosário dos Brancos, que encontra-se em reforma de onde seguimos, à pé, até a Igreja do Rosário dos Pretos, onde fomos recepcionados pelo Padre Limacedo, que contou um pouco da história das igrejas que formam conjunto arquitetônico histórico daquela cidade.







Continuando, os participantes seguiram até um outro belíssimo conjunto arquitetônico formado pelas Igrejas do Carmo, Igreja de Santa Tereza de Ávila e o Convento dos Carmelitas, tudo à frente de um belíssimo Cruzeiro conhecido como Cruzeiro do Carmo, situado na Praça Frei Caneca, também conhecida como Praça do Carmo; ali fomos recepcionados pelo Prior Frei Juracir.






 Após o almoço, seguimos para o bairro do Pina, em Recife, para visitarmos a Igreja e o local onde se encontra enterrado Frei Damião, tendo à frente a Igreja contendo ao lado uma área pastoral, em anexo o túmulo de frei Damião e ainda o Convento dos Frades Capuchinhos.
 
 
 A convite do Padre Marcondes, o Armadura do Cristão registrou, com carinho, todas as fotos de mais um exitoso Tour Religioso.

http://armaduracristaodo.blogspot.com.br/2017/03/tour-religioso-igrejas-de-goiana-pe-e.html
Clique na imagem acima e confira todas as fotos

Papa Francisco - Conquistando Corações

A Paróquia Menino Jesus de Praga conseguiu uma promoção no cinema para assistir o Filme
"PAPA FRANCISCO - CONQUISTANDO CORAÇÕES". Terá uma sala só para a Paróquia Menino Jesus de Praga. 

📌DIA 22/03 (quarta-feira) às 19:30h
LOCAL: Mangabeira Shopping
Preço: R$ 20,00 com direito ao combo pipoca e refrigerante.

Páscoa Solidária



Por mais um ano consecutivo, o Instituto Vem Cuidar de Mim estará promovendo a campanha "Páscoa Solidária", para arrecadar chocolates para a festa de Páscoa das crianças carentes.

Faça uma criança feliz nesta Páscoa. 

Doe chocolates. Seja solidário.

Comunicado de Dom Genival

sexta-feira, 10 de março de 2017

 08/03/2017 - Sobre nomeação de Dom Delson feita pelo Papa Francisco

O Administrador Apostólico da Arquidiocese da Paraíba, Dom Genival Saraiva de França, tem um importante comunicado a fazer nesta quarta-feira, dia 8 de março de 2017:
“Comunico aos presbíteros, diáconos, religiosos, religiosas, seminaristas e aos fiéis católicos da Arquidiocese da Paraíba e das Dioceses da Província Eclesiástica da Paraíba, às autoridades constituídas, aos paraibanos e paraibanas, que recebi esta alegre notícia do Sr. Núncio Apostólico, Dom Giovanni d’Aniello, no dia 20 de fevereiro: ‘Tenho a satisfação de lhe comunicar oficialmente que o Santo Padre Francisco nomeou Arcebispo dessa vacante Arquidiocese da Paraíba o Excelentíssimo Dom Manoel Delson Pedreira da Cruz, OFMCap., transferindo-o da sede episcopal de Campina Grande, Estado da Paraíba’.
Comunico, ainda, que a posse canônica de Dom Manoel Delson, como 7º Arcebispo Metropolitano, está marcada para o dia 20 de maio próximo, quando se tornará plena a alegria dessa ‘porção do Povo de Deus’ - a Arquidiocese da Paraíba”.

A importância da participação da Missa na Paróquia


Domingo é o dia do Senhor. São João Maria Vianey dizia: “Um Domingo sem Missa é uma semana sem Deus”. A nossa fé nos agrega numa grande família que é a Igreja, de maneira mais particular a Paróquia, onde eu coloco em prática a minha fé. Lá é onde eu recebo o suporte necessário para crescer na formação humana, na espiritualidade e em todos os tesouros sacramentais para minha salvação. A Igreja paroquial é minha casa, é o meu núcleo de fé e vida.

Tomemos por modelo os cristãos das primeiras comunidades: “Os que receberam a sua palavra foram batizados. Perseveravam eles na doutrina dos apóstolos, na reunião em comum, na fração do pão e nas orações” (cf. Atos 2, 41-42).

Assim como eu preciso fazer uma experiência com Cristo para segui-lo, eu também preciso fazer uma experiência com a comunidade de fé, que é a Igreja, a portadora do depósito da fé, a extensão do grande corpo de Cristo e da qual eu sou membro. A comunidade é necessária para que a minha fé não seja estéril, morta, sem obras. Na comunidade paroquial, eu faço uma experiência de vida fraterna que faz toda a diferença no mundo de hoje. Na experiência dos apóstolos, o Domingo tem lugar especial por se tratar do dia da ressurreição do Senhor. No início, quando eles não tinham igrejas e eram perseguidos, eles celebravam em suas próprias casas. É isso que nós cristãos, hoje, somos chamados a resgatar: o sentido de casa de nossas paróquias, casa de comunhão e fé, ressurreição e vida.

Lembro-me, com muito carinho, da minha “paróquia mãe”, a Catedral de Sant’Ana. Logo depois que eu encontrei Jesus e d’Ele recebi a Vida Nova, engajei-me na minha paróquia por meio do grupo de jovens, da Legião de Maria e da Missa Dominical, que não perdia por nada deste mundo; era por amor, era de coração. A partir daí, vieram a Direção Espiritual com o vigário Monsenhor Jessé Torres, a vida de oração e a vocação ao sacerdócio. Veja quantas riquezas a paróquia pôde me oferecer! Mas não posso me esquecer das desculpas imaturas de que não precisava ir à casa de Deus para encontrar o Senhor, que podia rezar em casa, pois Deus está em todo lugar e lá não se vê tanto testemunho, etc. Essas idéias acabaram quando fui crescendo no verdadeiro sentido de ser Igreja: “Eu sou e também faço a Igreja; sou discípulo de Jesus Cristo e estou neste caminho por Ele em primeiro lugar.

D.40.1 Celebração dominical, centro da vida da Igreja:
§2177 A celebração dominical do Dia do Senhor e da Eucaristia está no coração da vida da Igreja. “O domingo, dia em que por tradição apostólica se celebra o Mistério Pascal, deve ser guardado em toda a Igreja como a festa de preceito por excelência.”
“Devem ser guardados igualmente o dia do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Epifania, da Ascensão e do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, de Santa Maria, Mãe de Deus; de sua Imaculada Conceição e Assunção, de São José, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e, por fim, de Todos os Santos”.

Domingo primeiro dia da semana
§1166 “Devido à tradição apostólica que tem origem no próprio dia da ressurreição de Cristo, a Igreja celebra o mistério pascal a cada oitavo dia, chamado, com razão, o Dia do Senhor ou domingo”. O dia da ressurreição de Cristo é, ao mesmo tempo, “o primeiro dia da semana”, memorial do primeiro dia da criação, e o “oitavo dia” em que Cristo, depois de seu “repouso” do grande sábado, inaugura o dia “que O Senhor fez”, o “dia que não conhece ocaso”. A Ceia do Senhor é seu centro, pois é aqui que toda a comunidade dos fiéis se encontra com o Ressuscitado, que Os convida a seu banquete: O dia do Senhor, o dia da ressurreição, o dia dos cristãos, é o nosso dia, pois foi, nesse dia, que o Senhor subiu vitorioso para junto do Pai. Se os pagãos o denominam dia do sol, também nós o confessamos de bom grado, pois, hoje, levantou-se a luz do mundo; hoje, apareceu o sol de justiça, cujos raios trazem a salvação.
§1167 O domingo é o dia, por excelência, da assembléia litúrgica em que os fiéis se reúnem para, ouvindo a Palavra de Deus e participando da Eucaristia, lembrarem-se da Paixão, Ressurreição e Glória do Senhor Jesus e darem graças a Deus que os ‘regenerou para a viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo de entre os mortos.

Domingo dia principal da celebração eucarística:
§1193 O domingo é o dia principal da celebração da Eucaristia por ser o dia da ressurreição. É o dia da assembleia litúrgica por excelência, da família cristã, da alegria e do descanso do trabalho. O domingo é o fundamento e o núcleo do ano litúrgico.

D.40.9 Obrigação de participar da liturgia dominical:
§1389 A Igreja obriga os fiéis “a participar da divina liturgia aos domingos e nos dias festivos” e a receber a Eucaristia pelo menos uma vez ao ano, se possível no tempo pascal, preparados pelo sacramento da reconciliação. Mas comenda, vivamente, aos fiéis que recebam a santa Eucaristia nos domingos e dias festivos ou ainda com maior freqüência, e até todos os dias.
§2042 O primeiro mandamento da Igreja (“Participar da Missa inteira aos domingos, de outras festas de guarda e abster-se de ocupações de trabalho”) ordena aos fiéis que santifiquem o dia em que se comemora a ressurreição
do Senhor e as festas litúrgicas em honra dos mistérios do Senhor, da santíssima Virgem Maria e dos santos. Em primeiro lugar, participando da celebração eucarística, em que se reúne a comunidade cristã, e abstendo-se de trabalhos e negócios que possam impedir tal santificação desses dias.
Antes de qualquer obrigação, o meu relacionamento com Deus deve ser por amor e o meu compromisso concreto exige tempo e espaço para se atualizar, por isso, a minha paróquia é lugar de encontro com Ele e com os meus irmãos na fé, onde eu alimento a minha experiência e vida com o meu Senhor. Não existe uma experiência autêntica de Jesus Cristo fora da comunidade, nela sou formado na Palavra, no Altar, no testemunho e na doação de minha vida.
Sabendo de todas essas maravilhas e chamados a renovar o nosso compromisso com Jesus Cristo e com a Igreja Paroquial, como tem sido a sua participação na sua paróquia? Qual tem sido a sua experiência paroquial? Você vai à Missa todos os Domingos?
Nunca é tarde para recomeçar. Minha bênção fraterna+.

Fonte: Canção Nova

Nomeação de Dom Delson foi divulgada pelo Vaticano nesta quarta-feira

quarta-feira, 8 de março de 2017

Novo arcebispo da PB, Dom Delson destaca que 'desafios são grandes'
Em carta dirigida aos fiéis, arcebispo eleito fala sobre nomeação.


Para Dom Delson, após a nomeação, o primeiro trabalho como arcebispo deve ser focado em conhecer a comunidade. “Neste período inicial de adaptação, é importante conhecer o clero, acompanhar de perto e orientar as os fiéis conforme a orientação da Igreja”, completa.  Em uma entrevista coletiva realizada na manhã desta quarta-feira, o arcebispo eleito da Paraíba também falou sobre as denúncias de pedofilia dentro da Igreja. "As orientações sobre estas questões são dadas pelo Papa. Meu dever é acompanhar o que está sendo feito, acompanhar cada caso na Justiça e ao concluir os processos, encaminhar para Roma, que é quem toma as decisões sobre o clero. Os casos que possam aparecer, nossa orientação é abrir inquérito e se apurar o fato, enviar a investigação para que a pessoa seja afastada", disse. 
Segundo Dom Delson, o envolvimento político de padres e as questões administrativas do uso do dinheiro da Igreja também vai ser acompanhada. "Farei isso com responsabilidade e humildade. Preciso primeiro entrar na Arquidiocese para conhecer melhor e estar certo de como está a realidade para poder, então, dar a minha contribuição", completa. 

s desafios que enfrentarei são grandes”, diz Dom Manoel Delson Pedreira da Cruz, anunciado pelo Vaticano como novo arcebispo da Paraíba nesta quarta-feira (8). Dom Delson segue como administrador apostólico de Campina Grande, onde era bispo, até ser nomeado para a Arquidiocese, em 20 de maio. Desde a renúncia de Dom Aldo di Cillo Pagotto, em julho de 2016, a Arquidiocese da Paraíba seguia sob o comando de Dom Genival Saraiva de França.
Em carta dirigida a todos da Arquidiocese da Paraíba, o arcebispo eleito da Paraíba fala sobre a nomeação. “O Papa Francisco me confiou a responsabilidade de cuidar desta porção do Povo de Deus e eu aceitei. Sei que o novo é sempre surpreendente. Os desafios que enfrentarei são grandes. Eles serão caminhos de crescimento pessoal e oportunidade de servir à Igreja, na tríplice dimensão de ensinar, santificar e apascentar os que estarão sob os meus cuidados”.

Dom Delson é natural da cidade de Biritinga, na Bahia, e nasceu no dia 10 de julho de 1954. Estudou Filosofia e o início da Teologia no Seminário São Francisco de Assis em Nova Veneza (SP) e concluiu os estudos teológicos no Instituto de Teologia da Universidade Católica de Salvador (BA). É mestre em Ciência da Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Salesiana de Roma e graduado em Letras pela Universidade Católica de Salvador.
Foi ordenado sacerdote no dia 5 de julho de 1980 na Arquidiocese de Feira de Santana (BA) e na mesma arquidiocese, em 24 de setembro de 2006, recebeu sua ordenação episcopal. Foi acolhido na diocese de Caicó no dia 8 de outubro daquele ano e permaneceu até agosto de 2012, quando foi nomeado bispo de Campina Grande.
A partir desta quarta-feira, o cargo de bispo de Campina Grande fica vago. Dom Delson permanece como administrador apostólico da sé até a posse em João Pessoa, em 20 de maio. A partir da posse, o colégio de consultores deve anunciar um novo administrador até que um novo bispo seja nomeado pelo Papa Francisco.
Dom Delson chega à Arquidiocese da Paraíba após cinco como bispo da diocese de Campina Grande (Foto: Leonardo Silva/Jornal da Paraíba)
Dom Delson chega à Arquidiocese da Paraíba após cinco como bispo da diocese de Campina Grande (Foto: Leonardo Silva/Jornal da Paraíba)
Fonte: G1

Como Retornar?

Como Retornar?
Dicas para voltar a ter intimidade com Deus

Pesquisar neste Blog

Liturgia Diária

Liturgia Diária
Canção Nova

Comunidade do Timbó recebe Arcebispo Dom Delson

Comunidade do Timbó recebe Arcebispo Dom Delson
Bênção da reforma da Capela Santo Antônio

Seja um Padrinho Vem Cuidar de Mim

PC Magazine

PC Magazine
Informática e Eletrônicos

Novo Arcebispo da Arquidiocese da Paraíba - Dom Delson

Novo Arcebispo da Arquidiocese da Paraíba - Dom Delson

Projeto "Igreja no Cinema" - Fotos

Projeto "Igreja no Cinema" - Fotos
Paróquia Menino Jesus de Praga

10 Anos de Ordenação Diaconal - Fotos da Comemoração

10 Anos de Ordenação Diaconal - Fotos da Comemoração
Diácono Roberto Inocêncio

Fotos

Fotos
Paróquia Menino Jesus de Praga

Visitantes

Ajude o Laureano

Oração de exaltação a Santa cruz

Terço

Terço
Mãe da Divina Misericórdia

Mensagem

Campanha Vem Cuidar de Mim

Campanha Vem Cuidar de Mim
Assine aqui o abaixo assinado!

Conselhos do Papa Francisco

Mensagem

Mensagem
Monsenhor Jonas Abib

Reflexão

Frei Galvão

Frei Galvão
História

O Papa Francisco

O Papa Francisco
Vatican

Bíblia Católica On Line

Mensagem

Mensagem
Monsenhor Jonas Abib

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI
armaduradocristao@gmail.com

Horário das Missas na Paróquia Menino Jesus de Praga - Bancários

  • Quinta-feira - 19:30hs
  • Sexta-feira -06:00hs
  • Sábado - 19:00hs
  • Domingo - 8:00 e 17:00hs
  • Telefone: (83) 3235.5120

Siga o Armadura por e-mail

Ocorreu um erro neste gadget

A ARMADURA DO CRISTÃO

A ARMADURA DO CRISTÃO
Leia Efésios 6, 10-20

Adoração ao Santíssimo

Adoração ao Santíssimo

Salmos on Line

Menino Jesus de Praga

Arquivos Obras Timbó