Tríduo Pascal

sábado, 20 de abril de 2019

CLIQUE NAS IMAGENS E CONFIRA OS MOMENTOS DO TRÍDUO PASCAL


https://armaduracristao.blogspot.com/2019/04/missa-da-ceia-do-senhor-paroquia-santa.html
Missa da Ceia do Senhor - Paróquia Santa Júlia

https://armaduracristao.blogspot.com/2019/04/sexta-feira-santa-oficio-da-agonia.html
Ofício da Agonia - Paróquia Santa Júlia




Apresentemos nossas fraquezas ao Mestre Jesus

terça-feira, 16 de abril de 2019


Em verdade, em verdade te digo: o galo não cantará antes que me tenhas negado três vezes” (João 13,37).

A liturgia de hoje nos coloca diante da fraqueza dos seguidores de Jesus. Nela, cada um de nós pode também se espelhar. Seguimos Jesus com aquilo que somos e não com aquilo que queremos ser; as nossas fraquezas nos acompanham durante toda a nossa vida. Ou permitimos que Ele transforme e cuide de nossas fraquezas ou elas se dilatam nas nossas opções de vida nos momentos cruciais da nossa existência.
O primeiro que esbarramos é Judas Iscariotes. Ele era um discípulo, um apóstolo de Jesus, mas um homem muito ganancioso e avarento. Judas foi convidado para cuidar das finanças do grupo para aprender a lidar com o dinheiro, mas aconteceu o contrário, o dinheiro tomou conta do seu coração.
Uma vez que o dinheiro toma conta do coração da pessoa, ela se torna não só mesquinha, mas cobiçosa e avarenta, e o demônio toma conta do coração que é movido pelo dinheiro, ele faz dessa pessoa uma pessoa gananciosa em tudo aquilo que faz.
Mesmo Judas tendo recebido o Pão eucarístico, o Pão que Jesus deu, naquele mesmo momento satanás entrou no coração dele, e sabemos quais foram os sentimentos que tomaram conta do seu coração.

Coloquemos nossas fraquezas diante do Mestre. Não permitamos as seduções deste mundo aniquilem o nosso coração

O coração de Judas não estava em Jesus, o coração dele estava no dinheiro. “Onde estiver o seu tesouro, ali estará o seu coração”(Mateus 6,21). Hoje, pensemos muito onde nós, de fato, colocamos o nosso coração, até mesmo quando estamos na Igreja.
Do outro lado, a figura de Pedro, o mais impetuoso, líder daquele grupo, disposto a derramar o seu sangue e a dar a  vida por causa de Jesus. Na forma de falar, Pedro era sempre o primeiro que se manifestava. Quando Jesus profetizou que ele O negaria antes que o galo cantasse, é porque Jesus conhecia as fraquezas daquele homem.
Quem muita fala, quem é muito impetuoso, quem muito diz, às vezes, pouco faz; por isso, Pedro O negou. Porque o coração dele não estava firme e nem alicerçado no Senhor. Os outros discípulos O abandonaram, fugiram e assim por diante.
Coloquemos nossas fraquezas diante do Mestre a quem seguimos. Não permitamos que o dinheiro, o prazer, o poder, o medo ou as seduções deste mundo aniquilem o nosso coração de discípulo, mas nos purifiquemos pela verdade para que nos tornemos discípulos autênticos do Mestre Jesus.
Deus abençoe você!

SEMANA MAIOR - Semana Santa: a semana da vitória da vida sobre a morte

segunda-feira, 15 de abril de 2019

É a semana da nossa reconciliação com Deus. É a semana da vitória da vida sobre a morte
Iniciamos ontem a Semana Santa. Semana na qual celebramos a centralidade da nossa fé, que teve início na entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, ou seja, a  subida de Jesus Cristo ao Monte Calvário, a Morte e a Ressurreição de Jesus Cristo para a nossa salvação; para nos resgatar das mãos do demônio e nos transferir para o mundo da luz, para a liberdade dos filhos de Deus. Jesus morreu na cruz para reconciliar o homem com o Pai. É a semana da nossa reconciliação com o Senhor, é a semana da vitória da vida sobre a morte, do pecado sobre a graça.
Celebrar a Semana Santa é celebrara vida, a vitória para sempre - 1600x1200(1)
Quando os fiéis são batizados, aplica-se a cada um deles os efeitos redentores da Morte e Ressurreição de Cristo. Por isso, o cristão católico convicto celebra com alegria cada função litúrgica da Semana Santa, que começa hoje e termina na celebração do Tríduo Pascal e da Páscoa.
Assim recomenda a Santa Mãe Igreja que todos os seus filhos se confessem, para que, correndo com Cristo do pecado, possam com Ele ressuscitar, na madrugada do Domingo da Páscoa para a vida eterna.
O tempo da Quaresma se prolonga até a Quinta-feira da Semana Santa. A Missa Vespertina da Ceia do Senhor é a grande introdução ao Santo Tríduo Pascoal. E este [Tríduo Pascoal] tem início na Sexta-feira da Paixão, prossegue com o Sábado Santo e chega ao ponto mais alto na Vigília Pascoal, terminando com as vésperas do Domingo da Ressurreição.
O Evangelho proposto para a Semana Santa, neste primeiro dia, é o de Jesus que volta a Betânia, seis dias antes da Páscoa, para manifestar Seu amor e carinho pelos amigos. Comove ver como o Senhor tem essa amizade, tão divina e tão humana, manifestada num convívio frequente. Nessa visita de Cristo a Lázaro, Maria e Marta, vejo-me também na condição de acolhê-Lo e recebê-Lo em minha casa e vida. Jesus vem me visitar hoje e eu quero recebê-Lo com o coração aberto, alegre e agradecido por merecer Sua amizade e confiança, assim como Ele foi sempre muito bem recebido por esses amigos de Betânia, em qualquer dia e a qualquer hora, com alegria e afeto. Como havia grande respeito, atenção e caridade entre eles, assim me comprometo a fazê-lo.
São milhares os que negam hospedagem para Cristo Jesus em seu coração, mas para o mundo e suas vaidades escancaram-nos; esses vivem com a alma cheia de vícios: a alma, sem a presença de seu Deus e dos anjos que nela se jubilavam, cobre-se com as trevas do pecado, de sentimentos vergonhosos e de completa ignomínia.
“Ai da alma se lhe falta Cristo! Que a cultive com diligência, para que possa germinar os bons frutos do Espírito! Deserta, coberta de espinhos e abrolhos, terminará por encontrar, em vez de frutos, a queimada. Ai da alma, se seu Senhor, o Cristo, nela não habitar! Abandonada, encher-se-á com o mau cheiro das paixões, virará moradia dos vícios”, diz São Macário.
Era costume da hospitalidade do Oriente honrar um hóspede ilustre com água perfumada depois de se lavar. De forma que, mal se sentou Jesus, Maria tomou um frasco de alabastro que continha uma libra de perfume muito caro, de nardo puro. Aproximou-se por detrás do divã onde estava o Mestre recostado e ungiu os pés e secou-lhes com os seus cabelos: Trata-se de Maria Madalena que, pela segunda vez, unge o Corpo Santíssimo do Nosso Divino Salvador. O nardo era um perfume raríssimo, de grande valor, que, ordinariamente, encerrava-se em pequenos vasos, de boca estreita e apertada. Quebrá-lo e derramar o conteúdo sobre a cabeça de alguém era, entre os antigos, sinal de grande honra e distinção.
Maria ofereceu o melhor para Cristo Jesus. Ela não ofereceu um perfume
barato, mas o melhor e o mais caro. E você? O que tem oferecido ao seu Senhor? Façamos também nós o mesmo; ofereçamos para Nosso Senhor aquilo que temos de melhor e mais precioso: o melhor cálice, a mais bela patena, o mais piedoso ostensório, os melhores paramentos, a nossa vida, tudo o que somos e temos. Pois, todo o luxo, majestade e beleza são poucos perante a tamanha grandeza de Jesus, nosso Mestre.

Acolhendo o mistério redentor de Cristo e Sua Palavra, meditando os acontecimentos da nossa redenção, só poderemos crescer na alegria e na paz do Deus que nos ofertou a vida. Deixemos, pois, que o Espírito de Deus tome conta de nossa existência, para que sejamos conduzidos à eterna alegria da salvação e da ressurreição.
Acolhendo o mistério central da nossa fé, desejo boa Semana Santa para você e a toda a sua família.

SEMANA MAIOR - A importância do Domingo de Ramos

domingo, 14 de abril de 2019

O Domingo de Ramos nos ensina que seguir Cristo é renunciarmos a nós mesmos

A Semana Santa começa no Domingo de Ramos, porque celebra a entrada de Jesus em Jerusalém montado em um jumentinho – o símbolo da humildade – e aclamado pelo povo simples que O aplaudia como “Aquele que vem em nome do Senhor”. Esse povo, há poucos dias, tinha visto Jesus ressuscitarLázaro de Betânia e estava maravilhado, pois tinha a certeza de que esse era o Messias anunciado pelos profetas, mas, esse mesmo povo tinha se enganado com tipo de Messias que Cristo era. Pensava que, fosse um Messias político, libertador social, que fosse arrancar Israel das garras de Roma e devolver-lhe o apogeu dos tempos de Salomão.
A importância do Domingo de Ramos-artigo
Foto ilustrativa: Arquivo CN/cancaonova.com
Para deixar claro a este povo que Ele não era um Messias temporal e político, um libertador efêmero, e sim, o grande Libertador do pecado, a raiz de todos os males, então, o Senhor entra na grande cidade, a Jerusalém dos patriarcas e dos reis sagrados, montado em um jumentinho; expressão da pequenez terrena. Ele não é um Rei deste mundo! Dessa forma, o Domingo de Ramos dá o início à Semana Santa, que mistura os gritos de hosanas com os clamores da Paixão de Cristo. O povo acolheu Jesus abanando seus ramos de oliveiras e palmeiras.

Os ramos lembram nosso batismo

Esses ramos significam a vitória: “Hosana ao Filho de Davi: bendito seja o que vem em nome do Senhor, o Rei de Israel; hosana nas alturas”. Os ramos santos nos fazem lembrar que somos batizados, filhos de Deus, membros de Cristo, participantes da Igreja, defensores da fé católica, especialmente nestes tempos difíceis em que essa é desvalorizada e espezinhada. Os ramos sagrados que levamos para nossas casas, após a Missa, lembram-nos de que estamos unidos a Cristo na mesma luta pela salvação do mundo, a luta árdua contra o pecado, um caminho em direção ao Calvário, mas que chegará à Ressurreição.

O sentido da Procissão de Ramos

O sentido da Procissão de Ramos é mostrar essa peregrinação sobre a terra que cada cristão realiza a caminho da vida eterna com Deus. Ela nos recorda que somos apenas peregrinos neste mundo tão passageiro, tão transitório, que se gasta tão rapidamente e nos mostra que a nossa pátria não é neste mundo, mas sim, na eternidade; aqui nós vivemos apenas em um rápido exílio em demanda da casa do Pai.
Missa do Domingo de Ramos traz a narrativa de São Lucas sobre a Paixão de Nosso Senhor Jesus, Sua angústia mortal no Horto das Oliveiras, o Sangue vertido com o suor, o beijo traiçoeiro de Judas, a prisão, os maus-tratos causados pelas mãos dos soldados na casa de Anás, Caifás; Seu julgamento iníquo diante de Pilatos, depois, diante de Herodes, Sua condenação, o povo a vociferar “crucifica-O, crucifica-O”; as bofetadas, as humilhações, o caminho percorrido até o Calvário, a ajuda do Cirineu, o consolo das santas mulheres, o terrível madeiro da cruz, Seu diálogo com o bom ladrão, Sua morte e sepultura.

Entrada “solene” de Jesus em Jerusalém

A entrada “solene” de Jesus em Jerusalém foi um prelúdio de Suas dores e humilhações. Aquela mesma multidão que O homenageou, motivada por Seus milagres, agora vira as costas a Ele e muitos pedem a Sua morte. Jesus, que conhecia o coração dos homens, não estava iludido. Quanta falsidade há nas atitudes de certas pessoas! Quantas lições nos deixam esse Domingo de Ramos!
O Mestre nos ensina, com fatos e exemplos, que o Reino d’Ele, de fato, não é deste mundo. Que Ele não veio para derrubar César e Pilatos, mas para derrubar um inimigo muito pior e invisível: o pecado. E para isso é preciso imolar-se, aceitar a Paixão, passar pela morte para destruir a morte; perder a vida para ganhá-la. A muitos o Senhor Jesus decepcionou; pensavam que Ele fosse escorraçar Pilatos e reimplantar o reinado de Davi e Salomão em Israel; mas Ele vem montado em um jumentinho frágil e pobre.
Muitos pensam: “Que Messias é esse? Que libertador é esse? É um farsante! É um enganador que merece a Cruz por nos ter iludido”. Talvez Judas tenha sido o grande decepcionado. O Domingo de Ramos ensina-nos que a luta de Cristo e da Igreja e, consequentemente, a nossa também, é a luta contra o pecado, a desobediência à Lei Sagrada de Deus, que hoje é calcada aos pés até mesmo por muitos cristãos que preferem viver um Cristianismo “light”, adaptado aos seus gostos e interesses, e segundo as suas conveniências. Impera, como disse Bento XVI, “a ditadura do relativismo”.
O Domingo de Ramos nos ensina que seguir o Cristo é renunciarmos a nós mesmos, morrermos na terra como o grão de trigo para poder dar fruto, enfrentar os dissabores e ofensas por causa do Evangelho do Senhor. Ele nos arranca das comodidades e das facilidades, para nos colocar diante d’Aquele que veio ao mundo para salvá-lo.

Nascemos para as coisas do Alto

terça-feira, 9 de abril de 2019


“Vós sois daqui debaixo, eu sou do alto. Vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo. Disse-vos que morrereis nos vossos pecados, porque, se não acreditais que eu sou, morrereis nos vossos pecados” (João 8,23-24).

A primeira verdade é essa: Jesus não é daqui debaixo; e “debaixo” quer dizer do mundo em que estamos, o mundo que já é sobre o maligno, sobre o pecado e as trevas.
Jesus é do Alto, Ele é da luz e da graça, mas desceu à nossa baixeza, desceu à nossa condição humana para nos iluminar, resgatar-nos, e para que não fiquemos embaixo, mas para que busquemos as coisas do Alto.
Para que Jesus nos resgate do mal desse mundo é preciso que morramos para o pecado para nascermos na graça, porque morreremos nos nossos pecados se não acreditarmos em Jesus, se não colocarmos n’Ele nossa confiança, nossa esperança e o sentido da nossa salvação. 
Vivemos no mundo, mas não podemos deixar que ele esteja dentro de nós. Viver no mundo é responsabilidade, entregar-se para o mundo é pecado e perdição. Iluminar o mundo é nossa missão, deixar-se conduzir pelo mundo é a nossa perdição.

Tenhamos convicção de que nascemos do Alto e para as coisas do Alto

Estar em Jesus é viver no mundo sem ser do mundo, é estar no mundo sem se deixar escravizar por ele. Estar em Jesus é cumprir a nossa obrigação e a nossa missão sem nos prendermos a esse mundo, porque não somos dele. Estamos aqui de passagem. Não tenhamos dúvidas sobre isso, mas convicção de que nascemos do Alto e para as coisas do Alto. E o Alto é o Céu, é o lugar da morada de Deus.
Nascemos para ser de Deus, mas, às vezes, podemos desviar a rota, perdermos o caminho, mas para nós, que andávamos perdidos como aqueles escoteiros que se perderam em meio à expedição, Ele desceu para vir nos encaminhar ao caminho que nos salva, à estrada que nos leva à vida.
Jesus é a estrada, Ele é a verdade e a vida. Deixemo-nos ser conduzidos por Cristo, para não morrermos nos nossos pecados, para não sermos escravos do pecado, para que não sejamos escravizados por este mundo, mas salvos e resgatados pelo amor misericordioso do Senhor.
Deus abençoe você!

Via Sacra das Crianças na Paróquia Menino Jesus de Praga

domingo, 7 de abril de 2019

Aconteceu neste último sábado, 06 de abril, a via sacra das crianças na Paróquia Menino Jesus de Praga. O ECRI(Encontro de Crianças com Cristo) fez o registro das fotos e o Armadura do Cristão, através de "Tio Carlos" está disponibilizando o registro tão lindo e singelo dessas crianças. Parabéns a todos que se empenharam nesse tradicional acontecimento.

https://armaduracristao.blogspot.com/2019/04/via-sacra-das-criancas-na-paroquia.html
CLIQUE NA IMAGEM ACIMA E CONFIRA AS FOTOS

A corrupção nos afasta dos caminhos do Senhor

quinta-feira, 4 de abril de 2019

A melhor forma de amarmos é cuidarmos uns dos outros, porque a corrupção é uma tentação para todos nós

“O Senhor falou a Moisés: ‘Vai, desce, pois se corrompeu o teu povo, que tiraste da terra do Egito’” (Êx 32,7).
Moisés está na montanha sagrada diante da presença de Deus. É o próprio Senhor que ordena que ele desça para ver a situação que se encontra o povo corrompido por causa dos pecados.
O povo que Deus conduziu pela mão e tirou da escravidão, deixou-se corromper pelo mal e pelo pecado, afastando-se das leis e mandamentos divinos. Eles fizeram um bezerro de metal fundido, inclinaram-se diante dele e o adoraram. Cometeram o pecado mais abominável aos olhos de Deus, que é a idolatria, criar ídolos de humanos, ídolos de metal, criar ídolos sobre todas as formas. Ídolo é, justamente, aquele que vem ocupar o lugar de Deus no coração do homem.
Como Moisés, nós também nos colocamos na presença de Deus, porque a presença d’Ele nos ilumina e traz às claras aquilo que, muitas vezes, está escondido sobre as trevas.
Precisamos da luz divina do Senhor iluminando e clareando o nosso coração para enxergarmos, para vermos onde a corrupção do mal nos atingiu, para ver onde estamos nos afastando dos caminhos do Senhor.
Deus chamou Moisés e ordenou que ele descesse para mostrar ao povo que estava se afundando na escuridão da corrupção, do pecado e da morte, para que ele pudesse ser um farol para iluminar aquele povo. Quando Moisés desceu, ele ficou decepcionado, porque era um povo de cabeça dura. O Senhor mesmo disse: “Vejo que este é um povo de cabeça dura”. Moisés foi suplicar e interceder pelo seu povo.
Precisamos descer às profundezas do nosso coração, do nosso interior e do nosso ser para conhecermos o que está obscuro, para expulsarmos as idolatrias, para sarar e sanar o nosso coração das inclinações pecaminosas, daquilo que nos corrompeu, mas é preciso também descer até o povo e suas realidades.
Muitos pais se fecham em seus quartos, rezam pelos seus filhos, pedem por eles, mas não descem, não vão ao quarto dos próprios filhos, muitas vezes, ali estão vivendo situações de pecados, estão se corrompendo dentro da própria casa e muitos pais não estão enxergando.
Precisamos descer onde se encontram os nossos, não é para vigiar, mas, sobretudo, para cuidar. A melhor forma de amarmos é cuidarmos uns dos outros, porque a corrupção é uma tentação para todos nós. Por isso, desça, vá ao encontro dos seus, vá ao encontro dos irmãos.
Quando vemos que uma pessoa está afastada, quando a pessoa era do Senhor e se afasta, precisamos ter a preocupação de olhar, porque quando não cuidamos, os irmãos se afastam e se corrompem pelo mal.
Quando não cuidamos de nós, cada um não cuida de si, a alma também se corrompe, porque faltou o cuidado. É preciso descer a alma, mas é preciso também descer ao encontro dos filhos, dos irmãos e de todos os que Deus nos mandar, porque a corrupção tem corroído as nossas almas.
Deus abençoe você!

Silenciemos o nosso coração para ouvir a voz de Deus

quinta-feira, 28 de março de 2019

Busquemos Deus onde Ele se encontre! No profundo silêncio, Ele quer falar ao nosso coração, e nós precisamos ouvir a Sua voz

Ouvi a minha voz, assim serei o vosso Deus, e vós sereis o meu povo; e segui adiante por todo o caminho que eu vos indicar para serdes felizes” (Jeremias 7,23).

A graça que precisamos buscar, neste tempo que se chama Quaresma, é ouvir Deus. Não pense que ouvir seja uma coisa simples – de forma nenhuma! –, porque estamos perdendo, cada vez mais, a audição espiritual, ou seja, a capacidade de ouvir Deus.
Escutamos muito a nós mesmos, escutamos muito os outros, escutamos os barulhos de onde estamos, até porque os barulhos aumentaram. Redes socais e tantas outras coisas, às vezes, são necessárias, mas barulhentas demais, a ponto de não escutarmos a voz do Senhor nosso Deus que quer falar ao nosso coração.
Há muito barulho dentro de nós, estamos muito ansiosos e agitados com as inquietações e preocupações da vida presente. O nosso coração e o nosso ouvido interior se entregam a todas essas agitações, e, no meio da confusão, escutamos uma voz aqui e acolá, e achamos que é a voz de Deus.
A voz do Senhor está no silêncio da alma, no coração que se liberta das excitações da vida para se colocar debaixo da mão poderosa do Senhor para escutá-Lo. Se ouvirmos a Sua voz, Ele será o nosso Deus e seremos o Seu povo, e Ele há de nos conduzir pelo caminho da felicidade.
Estamos lutando e, muitas vezes, gladiando-nos uns com os outros em nome de uma dita felicidade. Estamos nos maltratando, atacando-nos, estamos cada um buscando o seu jeito de ser feliz.
Não há caminho para a felicidade, a não ser um coração que silencia, uma alma que se torna humilde, que se coloca verdadeiramente na presença de Deus para escutá-Lo em verdade.
Há muitas coisas que, por aí, está se falando que é Deus que está dizendo, e Ele é aquele que silencia para falar ao coração que sabe silenciar para escutá-Lo.
O Evangelho de hoje mostra-nos justamente o mudo que é curado por Jesus; e quando o demônio da mudez sai desse homem, expulso por Jesus, ele começa, de fato, a falar.
Só podemos falar de Deus se tivermos a capacidade de escutá-Lo verdadeiramente.
Nossas igrejas estão muito barulhentas, não sabemos nem fazer silêncio depois da comunhão. Há barulhos, agitações terríveis onde estamos. Na nossa casa, nem se fala! O tempo inteiro estamos escutamos a nós, ao mundo e as vibrações que estão ao nosso redor.
Busquemos Deus onde Ele se encontra. No profundo silêncio, Ele quer falar ao nosso coração, e precisamos ouvir a Sua voz. “Eles não ouviram nem prestaram atenção; deixaram-se guiar pelas más inclinações e andaram para trás em vez de andar para a frente” (cf. Jeremias 7,24).
Queremos caminhar na direção de Deus, por isso, queremos deixar de ouvir as más inclinações da alma para podermos ouvir o Senhor nosso Deus.

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

Deixemos a verdadeira conversão acontecer na nossa vida

domingo, 24 de março de 2019

 

A conversão passa por rever escolhas, por mudar a nossa mentalidade, por investirmos mais na paciência e no amor

Já faz três anos que venho procurando figos nesta figueira e nada encontro. Corta-a! Por que está ela inutilizando a terra?’’ (Lucas 13,7).

O terceiro domingo da Quaresma celebrado hoje é um convite muito forte para a nossa conversão. O nosso caminhar quaresmal não é simplesmente uma preparação na expectativa da Páscoa que vamos celebrar. Toda a Quaresma é um acontecimento pascal, acontecimento de mudança, mas é, sobretudo, uma reflexão do que, de fato, precisamos nos converter.
Jesus diz que se nós não nos convertermos, pereceremos da mesma maneira. O Evangelho nos aponta algumas tragédias que aconteceram. Olhamos as tragédias relatadas no Evangelho e olhamos as tragédias que têm no mundo de hoje e nos perguntamos: “Por que tamanhas tragédias? O que aquelas pessoas fizeram para merecer isso?”. A maioria não fez nada, foram vítimas inocentes, e é trágico. Lamentamos a morte dessas pessoas, mas é preciso dizer que tragédia pior é a de não nos convertermos.
Se não nos convertermos, perderemos a vida, e não é só a vida humana, pois perderemos também a vida eterna, a vida plena. Ainda que humanamente tirados do nosso meio, os que morreram em tragédias, se estavam em Deus, não perderam a vida.
A grande tragédia é o que acontece com essa figueira, relatada no Evangelho, porque havia três anos que ela não produzia frutos. O que se pode esperar do coração de um cristão? Que ele produza frutos do Reino, que produza frutos do Evangelho, frutos de paz, de reconciliação, de amor, misericórdia e tantas outras coisas.
Nossa vida não pode jamais se resumir naquilo que são as coisas negativas da vida humana, porque, muitas vezes, ela está focada nisso e, por vezes, temos muito mais joio do que trigo no nosso celeiro, pois não produzimos frutos, não deixamos a verdadeira conversão acontecer na nossa vida.
A conversão passa por rever escolhas, por mudar a nossa cabeça e mentalidade, por investirmos mais na paciência, no amor, na misericórdia, na tolerância, na forma de encararmos uns aos outros.
Conversão não é simplesmente rezar mais ou fazer algumas práticas penitenciais, essas são importantes, mas apenas se nos conduzirem a produzir frutos de conversão, mudar atitudes, mudar a nossa forma de lidar com as pessoas, com o mundo em que estamos.
Se ou uma pessoa grossa, mal educada, preciso mudar a minha atitude; se sou uma pessoa que têm hábitos que, muitas vezes, não constroem e nem edificam a convivência humana e fraterna, não podemos dizer: “Nasci assim e vou morrer assim”, pelo contrário, é preciso dizer: “Nasci assim e fiquei um pouco mais duro, mas a graça de Deus converte-me, e preciso deixar-me converter por Deus”.
O nosso esforço não é só o de fazer penitência, o nosso esforço é de ter atitudes que mostram a nossa conversão e os frutos aparecerão. Se eles não aparecerem é porque não estamos deixando a graça de Deus nos converter.

Deus abençoe você!


Sejamos presença de Deus na vida dos pobres

quinta-feira, 21 de março de 2019

 

Precisamos ser presença de Deus na vida dos pobres, precisamos ser anjos para socorrê-los durante a vida na Terra

Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão” (Lucas 16,22).

O relato bíblico de hoje nos mostra uma parábola que é linda e dramática ao mesmo tempo, porque nos coloca diante da situação do mundo presente e da vida futura. No mundo presente, temos um abismo que separa pobres e ricos. Há pobres vivendo uma extrema miséria; e ricos, muitas vezes, vivendo no extremo da avareza, do gozo dos bens materiais, sem se importar com a pobreza, com a indigência e a miséria da pessoa humana.
A Palavra de Deus, hoje, é um convite para que, acima de tudo, combatamos todos os abismos que separam os homens, para que não sejamos, depois, vítimas do abismo que separa o céu do inferno.
Os anjos vêm em socorro do pobre Lázaro, que, aqui na Terra, teve o consolo dos cachorros lambendo suas feridas. O rico vai para o abismo, para a região dos mortos, para a separação definitiva de Deus.
Não basta ser somente uma pessoa boa, ter Deus no coração e rezar, é preciso cuidar da miséria, da pobreza e do sofrimento do outro. A indiferença é um pecado que doí no coração de Deus, pois ela nos afasta d’Ele; não só a indiferença religiosa para com as coisas sagradas, mas a indiferença para com o sofrimento, a pobreza, a indigência e a situação de miséria social na qual vivem milhões de seres humanos em toda a face da Terra.
A fome ainda é uma realidade, a miséria é uma realidade social presente no mundo em que estamos, por isso não podemos simplesmente dizer: “Vou rezar pelos pobres. Vou rezar pelos indigentes”. Precisamos ser presença de Deus na vida dos pobres, porque se os anjos vieram para socorrê-los no final da vida, precisamos ser anjos para socorrê-los durante a vida na Terra. Não nos conformarmos com a pobreza, e cuidar para que a outra pobreza (a pobreza da indiferença, da falta de cuidado com as necessidades do outro) não entre no nosso coração.
Precisamos superar os abismos sociais profundos que existem na sociedade em que vivemos, para não sermos vítimas do abismo definitivo que nos separará de Deus se não soubermos cuidar dos pobres e indigentes que estão no nosso meio.

Deus abençoe você!


São José intercede por todas as famílias

terça-feira, 19 de março de 2019

 

Precisamos da intercessão poderosa de São José para que as famílias tenham paz, saúde e proteção 

José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo” (Mateus 1,20).

Hoje, celebramos São José. Ele é o pai adotivo de Jesus, ele é o esposo da Virgem Maria, é o guardião de toda a Igreja Universal, o protetor de nossas famílias e de nossas casas. Por isso, o nosso coração, hoje, dá uma pausa na vivência quaresmal para celebrarmos, de forma solene, aquele que é o pai adotivo ou patrono de toda a Igreja.
Olhemos para José na perspectiva da salvação, aquele que é um colaborador no plano divino, sendo o responsável por cuidar da vida humana de Jesus, garantir que Ele tenha um pai, que tenha segurança, proteção, amor e ternura paterna. Como é necessária essa presença de José!
Deus é Pai e quis que Seu Filho tivesse um pai também aqui na Terra; e José cumpriu esse papel de forma sublime, ele se desdobrou para ser o pai do Filho de Deus, encarnado e humano no meio de nós.
José cuidou do outro tesouro precioso do coração de Deus, que é a Mãe de Jesus, a bem-aventurada, a sempre Virgem Maria. Ele foi o companheiro dela, foi seu protetor, seu amigo e, acima de tudo, seu irmão na fé. José foi aquele que esteve com Maria para ajudá-la a cuidar de Jesus, a ser a Mãe mais viva e mais presente na vida de Cristo, tendo um companheiro ao seu lado.
José é um homem puro, casto, justo e correto, é modelo de obediência a Deus acima de todas as coisas. A Igreja caminha na obediência a Deus, e tem em São José seu inspirador, seu modelo e patrono.
Olhemos para as famílias! Como precisamos da intercessão poderosa de São José para que as famílias tenham paz, saúde, proteção e, sobretudo, o consolo e a proteção divina!
Quando as coisas não estiverem bem, quando tivermos sinais desesperadores, quando não entendermos o que acontece em nossa vida, temos São José, o justo, aquele que se submete à vontade de Deus.
Homem de plena confiança em Deus, ensine nossos pais, ensine a cada um de nós a colocarmos somente em Deus a nossa confiança.
Valei-nos, São José!
Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

Busquemos sempre a graça da reconciliação

sexta-feira, 15 de março de 2019

 

A reconciliação verdadeira acontece quando procuramos ver e reaver os pensamentos que se perderam por falta de entendimento

Portanto, quando tu estiveres levando a tua oferta para o altar, e ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa a tua oferta ali diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão” (Mateus 5,23).
A Palavra de Deus que vem, hoje, ao nosso encontro provoca em nós profundas reflexões a respeito das nossas relações com o próximo, principalmente, em relação aos sentimentos negativos que, muitas vezes, tomam conta de nós.
Quem de nós nunca sentiu raiva? Quem de nós nunca se sentiu encolerizado, chateado e magoado com situações negativas que vivemos com o outro? Muitas dessas reações nos levam a nos fecharmos, a dizermos palavras duras – muitas vezes, pior do que duras –, palavras pesadas e malditas, palavras que, uma vez soltas, destroem os laços humanos.
A Palavra de Deus que vem hoje ao nosso encontro é uma palavra de restauração, purificação e reconciliação. Precisamos purificar o que está dentro de nós, cortar da nossa vida as palavras pesadas e malditas, os palavrões, xingamentos e as discussões cada vez mais duras que existem nas casas, nas famílias, onde um diz palavras pesadas para o outro e essas palavras se tornam malditas.
Jesus está dizendo: “Quem chamar o seu irmão de ‘Patife…’”, mas chamamos o irmão de coisas piores, de patife, de tolo e assim por diante. Precisamos purificar as palavras que saem da nossa boca em relação ao nosso próximo.
Quem se encolerizar, quem tiver raiva do seu irmão será réu em juízo. Não devemos ter muitas sentenças no juízo eterno de Deus para nos absorvermos. Precisamos, a cada dia da nossa vida, trabalhar as nossas cóleras, os ímpetos da nossa alma, porque não só matamos o outro com a nossa raiva como vamos também morrendo aos poucos por tantas raivas que acumulamos dentro de nós.
Precisamos trabalhar o interior, para que a alma seja mais serena para lidar com as negatividades dos relacionamentos. O ponto principal do Evangelho é a reconciliação. Não pense que o mais importante, quando vamos procurar Deus, seja levar a nossa oferta, porque a oferta sem um coração reconciliado não tem valor nenhum.
Nos exercícios que vivemos nesta Quaresma, dediquemos um tempo precioso, importante, sério e verdadeiro para buscarmos a graça da reconciliação. Não nos reconciliemos apenas confessando os pecados.
A reconciliação verdadeira é quando procuramos ver e reaver os pensamentos que se perderam por falta de entendimento, sobretudo, quando faltou humildade, quando o orgulho tomou conta dos relacionamentos.
Precisamos rever a forma como estamos vivendo e levando na vida essas situações. A misericórdia que nos perdoa é a mesma que nos impulsiona a vivermos reconciliados uns com os outros.

Deus abençoe você!


Cuidemos dos irmãos de Jesus

segunda-feira, 11 de março de 2019

A Palavra de hoje é um convite para que saiamos da acomodação na qual nos encontramos e cuidemos dos irmãos de Jesus

“Em verdade eu vos digo, que todas as vezes que fizestes isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizestes!” (Mateus 25,40).

Hoje, Jesus está nos mostrando que seus irmãos são todos os menores. Ele não se refere aos menores de idade, mas aos sofredores, aos pobres e doentes, aos enfermos, os encarcerados, os que não têm roupa para vestir, aqueles que estão vivendo como peregrinos neste mundo.
Todas as vezes que cuidamos deles, estamos cuidando de Jesus como Ele precisa ser cuidado. O julgamento final é a retribuição pela justiça e pela misericórdia que praticamos nesta vida.
Muitas vezes, centramo-nos em amar Jesus. Nós O amamos no sacrário, na adoração, amamos Jesus ao falarmos palavras de amor para Ele: “Jesus, eu te amo. Jesus, eu te quero” mas, na verdade, não nos exercitamos em querer Jesus cuidando d’Ele.
Cuidar de Jesus é cuidar onde Ele está sofrendo, é dar pão a quem não tem o que comer, é dar roupa a quem não tem o que vestir, é visitar os nossos doentes e ver os nossos irmãos que estão presos, é abrir-se para acolher as pessoas que, muitas vezes, não têm onde se abrigar.
Neste tempo especial da Quaresma, tempo de conversão para a nossa vida, precisamos nos converter para as obras de misericórdia, praticar a misericórdia, ter um coração misericordioso como o de Jesus. Esse precisa ser o anseio da nossa alma e do nosso coração.
Não basta penitências que nos afastam disso e daquilo, de uma coisa que gostaríamos, precisamos aprender a fazer até aquilo que não gostamos, que não temos tempo ou opção de realizar.
É preciso encontrar na nossa prática cristã o encontro com Jesus nos pobres e sofredores. A Palavra de Deus, hoje, é um convite para que saiamos dessa acomodação que nos encontramos e cuidemos dos irmãos de Jesus. Os irmãos d’Ele estão nas ruas, nos hospitais, estão próximos a nós. Jesus está precisando ser cuidado e o jeito é cuidar dos Seus irmãos, porque eles são também nossos irmãos e somos filhos do mesmo Pai.

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

Quando olhamos para uma mulher, entendemos um pouco mais de Deus

sexta-feira, 8 de março de 2019

Ser mulher é ter atitude

“Exijo a sorte comum das mulheres nos tanques, das que jamais verão seu nome impresso e no entanto sustentam os pilares do mundo”.*
Oito de março, e lá vem aquela enxurrada de textos, vídeos e fotos exaltando o Dia Internacional da Mulher. Neste texto, quero refletir, porém, a partir de dois momentos da história que, sob meu ponto de vista, exalam a feminilidade nas suas raízes, sem afetação nem vitimismo, mas de maneira bem objetiva.
Em 8 de março de 1857, 129 operárias que buscavam melhores condições de trabalho entraram em uma fábrica em Nova Iorque, nos Estados Unidos, e foram mortas em um incêndio a mando dos donos da fábrica. Essas mulheres eram exploradas no trabalho e tinham uma pauta legítima de reivindicação. Elas se mobilizaram, agiram, não deixaram para depois nem esperaram que algum anjo descesse do céu e alterasse aquela situação. Elas sofreram, mas não ficaram inertes ao sofrimento; morreram e mudaram a história, tanto que este fato se tornou mundialmente conhecido como o Dia Internacional da Mulher.
Quando olhamos para uma mulher, entendemos um pouco mais de Deus
Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com
Algumas várias centenas de anos antes, em Caná da Galileia, em uma festa de casamento, uma mulher percebe que o vinho, a alma da festa, acabou. Não é possível saber como Maria, a Mãe de Jesus, percebeu isso, já que o único evangelista que narra a história, João, não traz detalhes. Não sabemos se ela ouviu as reclamações dos convidados, se quis provar a bebida e não havia mais, se percebeu a movimentação dos empregados naquele local sem saber o que fazer. Isso é o que menos importa.
O essencial é reconhecer que Maria não foi espectadora daquela possível tragédia para um momento tão feliz como um casamento. Ela agiu. Sem alarde, sem desespero, mas de maneira objetiva e discreta, a mãe de Jesus comenta essa falta com seu filho. E mesmo em meio ao questionamento de Jesus, Maria toma outra atitude importante, de instrução dos que estavam servindo: “Fazei tudo o que ele vos disser!”, confiante de que Jesus agiria a partir do seu pedido.

Maria teve atitude

Sem que ninguém pedisse a ela, a festa nem era dela, mas certamente de alguém querido, afinal, no casamento, a gente convida pessoas queridas. Maria observa a situação e faz o que está ao seu alcance. Ela mobiliza quem pode resolver o problema. Essa mulher agiu e mudou a história daquele casamento, evitou o constrangimento dos noivos e o descontentamento dos convidados; de quebra, Jesus fez Seu primeiro milagre, transformando água em vinho.
Nas duas situações acima, a atitude das mulheres alterou o curso da história. Em ambas, podemos nos colocar no lugar dessas mulheres, trazendo suas histórias para o nosso cotidiano feminino. Será que estamos dispostas a buscar as condições ideais no trabalho, na família, nos relacionamentos, mesmo que haja adversidades? Temos a sensibilidade e a docilidade de agir quando percebemos que alguma situação precisa de nós, naquilo que sabemos e podemos fazer? Ou somos dos grupo que assiste ao bonde andando, ao trem descarrilhar, ao circo pegar fogo e, apáticas, queimamo-nos juntos?
As mulheres não devem se acomodar, ao contrário, elas conseguem perceber e se compadecer de situações de uma maneira genuína, própria da feminilidade. Inclusive, um dos discursos do Papa Francisco nos alerta que “a mulher tem uma sensibilidade particular pelas coisas de Deus, sobretudo, para nos ajudar a compreender a misericórdia, a ternura e o amor que Deus tem por nós.”

Misericórdia, ternura e amor

Ao olharmos para as mulheres, conseguimos entender um pouco mais de Deus. Quando falamos que Deus é misericórdia, ternura e amor, ou seja, que Ele tem piedade, compaixão e solidariedade para conosco, fica mais fácil entender se observarmos aquelas mães que fazem de tudo pelos seus filhos, que não desistem, que estão sempre prontas a perdoar os erros deles, suas malcriações e também dispostas a dar a mão toda vez que a criança (ou o adulto, seu filho ou não) cai.
Não somos iguais aos homens. Somos diferentes. Nem melhores nem piores. Temos papéis diferentes, e nos completamos. Precisamos ser mulheres de atitude, sem esperar que outros façam por nós o que nós devemos fazer. Para isso, esteja atenta ao seu redor, às suas necessidades, da sua família, dos seus colegas de trabalho e amigos, e aja conforme a sua possibilidade. Eu não sei qual é a sua situação, mas cada dia é um novo dia com seus desafios, suas urgências e seus imprevistos. Peça a Deus, diariamente, que você tenha sabedoria para discernir todas as situações em que você deve agir, e agir rápido.
Que, neste 8 de março, e em todos os demais dias do ano, nós mulheres saibamos agir em favor do bem, da beleza e da verdade. Que os homens nos honrem, cuidem de nós e nos valorizem; e que Deus nos abençoe nesta jornada feminina, cada uma com a sua particularidade e vocação de vida, rumo ao céu.
Feliz Dia da Mulher!

Fonte: Canção Nova

Referências:
*retirado do poema Dolores, no livro Poesia Reunida, da poetisa mineira Adelia Prado.

Pesquisar neste Blog

Liturgia Diária

Liturgia Diária
Canção Nova

Arcebispo da Arquidiocese da Paraíba - Dom Delson

Arcebispo da Arquidiocese da Paraíba - Dom Delson
Dom Manoel Delson Pedreira da Cruz

Fale conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes

A ARMADURA DO CRISTÃO

A ARMADURA DO CRISTÃO
Leia Efésios 6, 10-20

Conselhos do Papa Francisco

Oração de exaltação a Santa cruz

Como Retornar?

Como Retornar?
Dicas para voltar a ter intimidade com Deus

Mensagem

Mensagem
Monsenhor Jonas Abib

Terço

Terço
Mãe da Divina Misericórdia

Mensagem

Reflexão

Frei Galvão

Frei Galvão
História

O Papa Francisco

O Papa Francisco
Vatican

Bíblia Católica On Line

Missa da Forania Praia Sul

Missa da Forania Praia Sul
Santo Antônio do Menino Deus

Missa de Natal - Fotos

Missa de Natal - Fotos
Paróquia Menino Jesus de Praga

255ª Romaria da Penha

255ª Romaria da Penha
Fotos Romeiros

Seja um Padrinho Vem Cuidar de Mim

Comunidade do Timbó recebe Arcebispo Dom Delson

Comunidade do Timbó recebe Arcebispo Dom Delson
Bênção da reforma da Capela Santo Antônio

Missa de Cinzas - Fotos

Missa de Cinzas - Fotos
Paróquia Menino Jesus de Praga

Mensagem

Mensagem
Monsenhor Jonas Abib

Projeto "Igreja no Cinema" - Fotos

Projeto "Igreja no Cinema" - Fotos
Paróquia Menino Jesus de Praga

Missa da Véspera de Natal

Missa da Véspera de Natal
Paróquia Menino Jesus de Praga

10 Anos de Ordenação Diaconal - Fotos da Comemoração

10 Anos de Ordenação Diaconal - Fotos da Comemoração
Diácono Roberto Inocêncio

Ajude o Laureano

Campanha Vem Cuidar de Mim

Campanha Vem Cuidar de Mim
Assine aqui o abaixo assinado!

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI
armaduradocristao@gmail.com

Horário das Missas na Paróquia Menino Jesus de Praga - Bancários

  • Quinta-feira - 19:30hs
  • Sábado - 19:00hs
  • Domingo - 8:00 , 11:00 e 17:00hs
  • Telefone: (83) 3235.5120

Adoração ao Santíssimo

Adoração ao Santíssimo

Salmos on Line

Menino Jesus de Praga

Arquivos Obras Timbó